“Minhas apresentações são em homenagem à minha família”

Ronald Marrer, artista circense

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 11/11/2021
Horário 07:45
Foto: Marcel Sachetti
Artista foi uma das atrações da 3ª Mostra Galpão da Lua nos dias 6 e 7
Artista foi uma das atrações da 3ª Mostra Galpão da Lua nos dias 6 e 7

O artista circense venezuelano com descendência turca, Samir, El Faquir, 30 anos, conhecido artisticamente por Ronald Marrer, do Randall Circo, de Brasília (DF), foi uma das atrações da 3ª Mostra Galpão da Lua nos dias 6 e 7. E ele ficou tão encantado que passou mais alguns dias na cidade. E está de partida esta noite para a capital paulista. Mas, para deixar um pouquinho de si em agradecimento ao coletivo cultural, o artista fez ontem a doação dos aparelhos do seu espetáculo como lembrança: cama de pregos e o tecido onde são colocados os cacos de vidro utilizados na apresentação.

Como foi sua participação na 3ª Mostra Galpão da Lua de Presidente Prudente? Já havia estado em nossa cidade?
Foi minha primeira vez na cidade! Apresentei um número de faquirismos, que é uma modalidade circense bastante antiga, que mistura resistência física, do corpo, ou suposta magia, e fiz malabares também.

Como foi a experiência de visitar Prudente pela primeira vez?
A experiência foi incrível poder conhecer os bairros da cidade e poder transmitir a alegria do circo para todas as crianças foi fenomenal. Ver o olhar das pessoas, crianças e adultos, encantadas com a magia do circo, foi emocionante! Sou muito grato ao Galpão da Lua por ser um ponto de resistência artística e cultural!

Como conheceu os artistas do Galpão, o Rosa dos Ventos? O que achou dessa turma? 
Eu conheci alguns integrantes do Galpão da Lua numa viagem no ano de 2018 na cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. E a partir dali surgiu uma boa amizade... Achei a turma muito unida, mais que uma equipe, eles são uma família. É bonito ver a interação entre eles. Passa realmente a sensação de estar no meio de uma família.

Em 2007 você fez a sua primeira participação na convenção internacional de circo e, desde então, vivenciou diversas experiências no mundo do circo. Mas antes disso, como foi a descoberta do amor pelo circo? De onde veio a paixão circense?
A paixão pelo mundo circense começou pelas visitas que eu fazia aos circos viajantes que passavam pela minha cidade [Valência, no Estado Carabobo], como por exemplo, o circo Tihany, Circo Hermanos Gascas, o Circo Imperial da China, Circo Os Valentinos e, anos depois, fui estudar no Circo Nacional da Venezuela.

E a dedicação ao malabarismo e ao faquirismo começou quando?
Ao malabarismo me dedico desde a primeira participação em 2007 e nos faquirismos, publicamente, para performance, faço há  quatro anos.

Você está no Brasil há quantos anos, Samir? Como tem sido a vida de artista?
Estou no Brasil desde 2016. Moro atualmente em São Paulo, capital. Ora alugando hotéis (que permitam ficar com pet), alugo casas/kitnet ou pensão/pousada e fico às vezes de barraca na estrada ciganamente. É muito difícil migrar sem viver da arte. Eu sou sozinho no Brasil, sem parentes, sem família minha, solteiro e com uma vida nômade junto com a minha cachorra Maryjane.

Você acompanha as tristes notícias da Venezuela? O sofrimento do seu povo? Como é ver a sua gente naquela situação? Tem família por lá? 
Sim. É simplesmente de cortar o coração! Sim. Minha mãe, Yajaira de Marrero Scurp, 64, e irmã, Rojaily Marrero, 35. Já o meu pai, Rogelio Cipriano Marrero, estou superando ainda a sua perda aos 72 anos, para a Covid-19 há menos de seis meses. Agora ele descansa. Lá ele não tinha paz! Queria dizer que minhas apresentações são em homenagem a minha família e em memória do meu pai que amarei para sempre.

Elas estão bem por lá?
Elas estão bem porque eu estou trabalhando com projetos de editais e com o que junto ganhando nos sinaleiros aos poucos, vou mandando para as duas se manterem.

Quer convidar nossos leitores, seguidores, para acompanharem seu trabalho?
Posso fazer umas menções? Para aparecer [risos]. Minhas redes sociais: @randall_circo - Instagram e página do Facebook. E aproveito para fazer agradecimentos a Luis Segnini e Débora Souza por sua amizade e carinho sempre.


 

Veja também