Profissionais da saúde atuam na “corrida contra o tempo”

Médico e enfermeiros do Grau contam como funciona o serviço às emergências na região; de janeiro a novembro do ano passado, grupo esteve em 1.652 ocorrências

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 09/07/2020
Horário 09:05
Roberto Kawasaki - Trabalho em equipe resulta no bom desempenho dos atendimentos prestados Foto: Roberto Kawasaki - Trabalho em equipe resulta no bom desempenho dos atendimentos prestados

Responsável pelos atendimentos de alta complexidade na região de Presidente Prudente, o  Grau (Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências), da Secretaria de Estado da Saúde, atua junto ao Corpo de Bombeiros em ocorrências que demandam emergência médica, como acidentes de trânsito, por exemplo. Na viatura, médicos e enfermeiros correm contra o tempo para amenizar o sofrimento das vítimas e, acima de tudo, salvar vidas.  

Os atendimentos chegam por meio do Cobom (Centro de Operações do Corpo de Bombeiros) e são comunicados às equipes de resgate. De janeiro a novembro do ano passado, o Grau esteve em 1.652 ocorrências. De acordo com o coordenador médico do grupo em Prudente, Antonio Onimaru, dentre as emergências clínicas mais comuns estão: infarto agudo do miocárdio, paradas cardiorrespiratórias e acidentes de trânsito. 

Há 23 anos atuando no Grau, a maior parte em Campinas (SP) e na capital paulista, o médico conta que nestas regiões a demanda de atendimentos é maior, o que requer reforço de efetivo. Em Prudente, o grupo conta com quatro médicos e 11 enfermeiros, capacitados e preparados para atuarem junto aos bombeiros. A enfermeira Sandra Galdino compõe a equipe desde o primeiro dia de atuação, há quase cinco anos. Ela considera o trabalho uma “corrida contra o tempo”, satisfação para quem atua na área da saúde. 

“DENTRO DO HOSPITAL A GENTE TEM UMA ROTINA DE TRABALHO. FORA DELE, UM DIA É DIFERENTE DO OUTRO, E A ADRENALINA É AINDA MAIOR”
Cleverson Wesley Pichelli

“É uma rotina completamente diferente de tudo o que já vivi nos anos de enfermagem”, afirma, destacando a importância do trabalho conjunto. “Nossa prioridade é salvar vidas, junto com outras equipes”. Assim como Sandra, o enfermeiro Cleverson Wesley Pichelli considera significativa a parceria. “Dentro do hospital a gente tem uma rotina de trabalho. Fora dele, um dia é diferente do outro, e a adrenalina é ainda maior”. 

Treinamento específico

Os membros do Grau são concursados, e recebem treinamento específico na Escola Superior de Bombeiros do Estado de São Paulo. Os instrutores são os próprios militares, que preparam situações para que atuem em locais de difícil acesso e áreas quentes - termo técnico para designar a área/espaço do local do evento/acidente.

Conforme o médico coordenador, há também capacitações anuais realizadas pelo núcleo de treinamentos do Grau, conforme a necessidade da situação. No caso da Covid-19, por exemplo, a preparação teve como foco a paramentação e desparamentação de EPIs (equipamentos de proteção individual), seguindo os protocolos já conhecidos.

Em cidades maiores, o Grau trabalha tanto no resgate aéreo, quanto no terrestre, geralmente, em parceria com as polícias. Segundo Onimaru, no início da implantação regional houve alguns debates sobre a temática ser trazida a Prudente, no entanto, ficou para um segundo momento. “A integração com as demais equipes de serviço é primordial para um bom desempenho e bom resultado nos atendimentos aos pacientes e vítimas”, considera. 

Foto: Roberto Kawasaki

Cleverson e Sandra são enfermeiros que atuam no Grau


Treinamentos específicos ocorrem conforme necessidade da situação

Veja também