Área em produção de grãos cresce na região

Destaque para o cultivo da soja em Prudente, que saltou de 46.150,00 ha (hectares) em 2016, para 58.460,00 ha em 2018, o que representa um avanço de 26,67%

REGIÃO - WEVERSON NASCIMENTO

Data 25/08/2019
Horário 04:02
 José Reis - Na região, milho representa segunda maior produção em termos de agricultura de grãos
José Reis - Na região, milho representa segunda maior produção em termos de agricultura de grãos

A área em produção de grãos na 10ª RA (Região Administrativa) do Estado – que é a região de Presidente Prudente - cresceu nos últimos anos, segundo dados disponibilizados pelo IEA (Instituto de Economia Agrícola). Um dos exemplos é território destinado para o cultivo da soja em Presidente Prudente, que saltou de 46.150,00 ha (hectares) em 2016, para 58.460,00 ha em 2018, o que representa um avanço de 26,67%. Já em termos de produção, foi verificado aumento de 2.137.550,00 sacas de 60 quilos para 3.165.310,00 sacas no mesmo período analisado, o equivalente a uma elevação de 48,08%. Na região de Dracena, por sua vez, o destaque vai para a cultura do milho, que apresentou um aumento de 23,75% na saca de 60kg. O mesmo para Presidente Venceslau que, em 2016, a lavragem equivalente era de 610.198 sacas e, em 2018, passou a ser de 655.080 (veja tabela).

Ainda na região de Presidente Prudente, formada pelos EDRs (Escritórios de Desenvolvimento Rural) de Dracena, Prudente e Presidente Venceslau, ao analisar o impacto do crescimento do cultivo de grãos, refletido nas principais culturas da região (cana de indústria, cana de forragem e pastagem cultivada), observa-se que o número de áreas dedicadas em hectares “caiu”, principalmente no EDR de Prudente.

De acordo com o presidente do Sindicato Rural de Presidente Prudente, Carlos Roberto Biancardi, a soja tem sido o produto de exportação que melhor tem remunerado o produtor, então, aqueles que possuem áreas apropriadas para o cultivo, estão obtendo o melhor resultado financeiro com a cultura. A região, por vez, tem boas áreas que têm atraído investimentos, não só para produtores locais, mas de outras regiões, que têm vindo em busca dessas terras para o cultivo.

Biancardi expõe também que a cotação da soja nos últimos anos tem sido favorável, além de ser um produto que tem um atrativo econômico maior do que outras culturas – maior até que a pastagem ou equivalente à cana. Isso tem refletivo principalmente no aumento do número de arrendamentos, ou seja, alguns produtores possuem as terras e arrendam para aqueles que são contam com mais equipamentos e implementos.

“O nosso solo é arenoso, mas é fértil, então, desde que ele seja bem preparado e manejado, ele preza a produção do grão. O que nós temos de dificuldade é o clima, pois, às vezes, o regime de chuva ou seca atrapalha um pouco a produção, plantio e colheita”, expõe Biancardi. Quanto às principais culturas, a soja e o milho são as principais em termo de agricultura. Em outras áreas, também há o incentivo do amendoim, explica o presidente do sindicato.

Produção

Esse tipo de atividade lavoura-pecuária é feita pelo produtor Marcos Antônio de Almeida, em propriedades de arrendamento de até 200 hectares em Santo Anastácio. No momento, ele se dedica ao plantio da soja, pois com o grão se cultiva a terra para a rotação, ou seja, após a colheita da oleaginosa é possível plantar sementes forrageiras (capim), que influenciam também em sua atividade pecuária de cria e engorda. “Os arrendamentos para plantio de soja são de 5 a 10 anos, pois em um período menor o custo é muito alto para correção do solo”, expõe. Segundo ele, com essa rotatividade se consegue, principalmente, ter lotação no inverno. “Exemplo, se você pegar um pasto degradado, ele terá no máximo três cabeças de gado por alqueire. Se for através da integração lavoura-pecuária você consegue colocar até 10 cabeças”.

O produtor Leonildo de Antônio, 64 anos, de Narandiba, está na ativa da lavoura-pecuária há muitos anos. Entre os grandes reconhecimentos, em 1981 recebeu uma medalha do então presidente da República, João Figueiredo, diante da produção e cultura do algodão, em uma cidade do Paraná. Com os anos, o produtor somou a produção do milho, através da tecnologia de plantio direto, além da atividade leiteira que tem um histórico permanente em suas propriedades e arrendamentos.

Hoje, apesar das dificuldades, como o clima, o produtor diz que fechou o ano com 150 mil sacas do milho, pois em função da seca deu um pouco menos se comparado aos outros anos. A produção, por vez, se concentrou em 100 alqueires de terras arrendadas em Narandiba, mas com projeção de 150 a 200 alqueires para o próximo plantio. “Temos uma produção ainda razoável, mas o preço está equilibrado, porque depois que surgiu o etanol do milho no Brasil, está agregando um pouco mais de valor ao produto da gente”.

O produtor Márcio Aparecido de Pietro viu na região de Presidente Prudente um grande potencial de investimento para a soja. Vindo do Paraná, em 2003, atualmente o produtor cultiva 1,4 mil alqueires de soja em Nantes. “Decidi investir na região por conta da falta de espaço no Paraná. O Estado de São Paulo, por vez, já é grande em termos de propriedades”.

CULTIVO DE GRÃOS NA REGIÃO

EDR - Dracena

Impacto do crescimento do cultivo de grãos nas principais culturas

Produto

2016

2017

2018

Soja

375,00 ha

1.009,00 ha

782,00 ha

Milho*

197.030,00

285.900,00

243.832,00

Cana para Indústria **

141.967,00 ha

149.432,90 ha

143.502,90 ha

Cana para forragem ***

2.697,00 ha

2.245,00 ha

2.440,00 ha

Pastagem cultivada

230.669,00 ha

224.672,00 ha

217.681,00

* Saca 60kg

**Área para corte

*** Área em produção

Fonte: IEA

EDR - Presidente Prudente

Impacto do crescimento do cultivo de grãos nas principais culturas

Produto

2016

2017

2018

Soja

46.150,00 ha

50.500,00 ha

58.460,00 ha

Milho*

3.445.800,00

3.041.200,00

3.382.850,00

Cana para Indústria**

249.387,00 ha

260.688,40 ha

255.121,60 ha

Cana para forragem***

9.119,00 ha

8.304,00 ha

6.605,00 ha

Pastagem cultivada

468.500,00 ha

456.461,60 ha

436.820,60 ha

* Saca 60kg

**Área para corte

*** Área em produção

Fonte: IEA

EDR - Presidente Venceslau

Impacto do crescimento do cultivo de grãos nas principais culturas

Produto

2016

2017

2018

Soja

6.660,00 ha

6.755,00 ha

7.832,00 há

Milho*

610.198,00

576.230,00

655.080,00

Cana para Indústria**

126.485,21 há

123.125,00 há

114.721,00 há

Cana para forragem***

1.858,00 ha

2.397,00 ha

2.217,00 ha

Pastagem cultivada

421.234,00 ha

434.676,00 ha

407.617,00 ha

* Saca 60kg

**Área para corte

*** Área em produção

Fonte: IEA

Veja também