"Xeque Mate"

DignaIdade

COLUNA - DignaIdade

Data 27/04/2021
Horário 07:00

O renomado autor da Rede Globo, Walther Negrão, esteve um período ausente da emissora na segunda metade da década de 1970 na TV Tupi de São Paulo, onde escreveu três novelas em parceria com Chico de Assis. A mais bem sucedida foi esta produção das 20h de época, o final dos anos 30 e narra a história de duas famílias tradicionais, os Lemos e os Bastos, banqueiros unidos em sociedade. O imponente Dr. Arnaldo Lemos (Rodolfo Mayer) tem duas filhas: a liberal e voluntariosa Nancy (Lílian Lemmertz) e a gentil e introspectiva Lúcia (Maria Isabel de Lizandra). As atenções de Lúcia são disputadas pelo arrogante Rodolfo (Edney Giovenazzi), filho da milionária Carolina Bastos (Lia de Aguiar), que está mais disposto a assumir o poder das empresas. Lúcia se apaixona por um ex-mendigo Aldo (Ênio Gonçalves) e com sua ajuda ele prospera como funcionário do banco. No passado, ele fôra desprezado por Nancy e é na verdade, filho de um milionário. A orgulhosa Nancy acaba sendo arrebatada pelo amor do mordomo Sebastião (Raul Cortez), classudo e distinto. Grande sucesso da TV Tupi com grande elenco que contava ainda com Cláudio Corrêa e Castro, Elias Gleizer, Laerte Morrone e Maria Luiza Castelli. A dupla Ênio Gonçalves (1943-2013) e Maria Isabel de Lizandra (1946-2019) eram casados na vida real. 
 

“Esgotamento mental em trabalhadores” 

A síndrome de burnout tem sido descrita desde a década de 1970 como um distúrbio emocional com extrema exaustão, estresse e sensação física de esgotamento, com referência ao termo inglês burnout: combustão até o final de uma substância. Ela é decorrente de uma atividade excessiva em relação ao trabalho, com risco de esgotamento por trabalhar além do limite, ou porque o tipo de trabalho leva a uma tensão mental excessiva (como exemplo os profissionais de saúde e policiais). Existe uma confusão da chamada síndrome de burnout com outras condições ou sintomas em saúde do trabalhador, como a fadiga ou cansaço físico pelas atividades exercidas e a depressão gerada pela alteração constante de humor diante das demandas exageradas. Na verdade, todos estes patamares podem representar diferentes fases da mesma situação: antes de se apresentarem completamente exauridos, os trabalhadores em processo de esgotamento podem dar indícios de tais situações. O esgotamento mental pode se apresentar em três subtipos principais: 1) Exaustão propriamente dita, que é a sensação de esgotamento diante das demandas excessivas; 2) Redução na eficácia do trabalho: uma percepção negativa sobre a própria competência e sobre a qualidade dos serviços prestados; 3) Cinismo: expresso pelo distanciamento em relação aos colegas de trabalho e à própria atividade. Contudo, não é apenas o tipo de trabalho exercido e a quantidade de horas trabalhadas, mas vários fatores contribuem para o esgotamento: estresse no ambiente da atividade, inclusão ou substituição das atividades anteriores por outras, particularmente as mais desafiadoras, mudanças no ambiente sem suporte ao indivíduo e falta de suporte das instâncias superiores. A situação atual da pandemia aflorou o esgotamento do trabalhador pela insegurança instaurada e a eterna sensação de enxugar gelo (profissionais de saúde que não dão conta de números progressivamente galopantes e de outras áreas, instáveis na execução de suas profissões com permanência das obrigações econômicas). O neurologista Paulo H. Bertolucci da Escola Paulista de Medicina tem demonstrado que o esgotamento mental crônico é acompanhado por alterações cognitivas que encontram correlação em alterações funcionais e estruturais do cérebro. 

Dica da Semana

Livros 

“Vulnerabilidade Etária: Idoso e Cárcere no Brasil”
Autora: Marina Portella Ghiggi. Editora Brazil Publishing. O livro é a publicação da tese de doutorado da autora na Universidade de Pelotas e relata um triste panorama do Brasil. Além do secundarismo do idoso nas políticas públicas, há ainda um maior agravamento do idoso aprisionado completamente esquecido das políticas penitenciárias. 
 

Veja também