A ciência salva

GRAZIELA FERNANDES

COLUNA - GRAZIELA FERNANDES

Data 19/09/2021
Horário 03:33

Quando era criança, na zona leste da capital paulista, meu pai me chamou e pediu para que eu prestasse atenção numa canção. Me lembro que ele pegou o fita-cassete, nem todos saberão o que é isso, e colocou a música no toca-fitas para que eu pudesse ouvir. A música realmente marcou minha infância.

GRANDE REFLEXÃO
Os versos mais oportunos e atuais, da composição de Leonildo Sachi, o conhecido Leo Canhoto, da dupla Leo Canhoto e Robertinho, nos propõe uma grande reflexão, tão forte para o momento que estamos vivenciando. “Meu pai lhe deu inteligência, para salvar vidas, você não salvou. Em vez de curar os enfermos, armas nucleares você fabricou. Usando sua capacidade, você destruiu, você se condenou”, diz um dos trechos da canção.

MILAGRE
O ensinamento de meu pai no dia que me apresentou a canção “O último julgamento” foi mostrar o quanto Deus, em sua infinita sabedoria, preparou a humanidade, o conhecimento, a ciência salva e pode transformar o mundo. Minha mãe, na ocasião, contou o milagre da minha vida. Graças a uma vacina não tive sequelas graves de uma doença. Meus pais sempre foram demasiadamente preocupados com a saúde e principalmente com a prevenção.

SUS É VIDA!
Foi o ensinamento deles que permitiu saber a relevância do sistema de imunização do SUS (Sistema Único de Saúde), especialmente agora, em plena pandemia. Minha mãe foi a primeira da família a ser imunizada contra a Covid-19. “Senti uma emoção, um nó na garganta e só podia agradecer ao Senhor”, contou Carmen Fernandes Consolo, minha mãe.

IMUNIZAÇÃO
Aos poucos, outros familiares foram imunizados. Meu dia chegou depois de enfrentar a doença que levou tantos amigos e familiares, mas minha maior alegria foi ver minha filha, Isabela Todesco, 14 anos, sendo imunizada. Que grande emoção. SUS é vida! A ciência salva. Realmente, Deus proporcionou inteligência aos homens para salvar vidas. Ainda sonho com o dia em que meu filho, Felipe Gabriel, 10 anos, seja agraciado com a dose de esperança.

ESPERANÇA SEM FIM
Temos sim, muita esperança na ciência para ver este dia chegar. E espero que nossas autoridades tenham lucidez para conduzir as ações que garantirão não só saúde e redução dos casos da Covid-19. Não cabe mais devaneios sobre o que a ciência já evidencia ser o melhor caminho para todos, para nossa saúde. Este aqui é de longe o “último julgamento”, como da canção que marcou a minha vida quando tinha menos de 10 anos de idade, este nada mais é que meu desabafo. O SUS é uma conquista, ainda que não atenda a todos de maneira igualitária, tem feito a diferença na vida de muita gente.

RESPIRA E VAI
Só quem viveu o medo de perder a vida para a Covid-19, quem nasceu do milagre da ciência para defender o posicionamento de quem se debruça para compreender o comportamento de um vírus e principalmente as formas de mapeá-lo a ponto de bloquear sua ação em nosso corpo, realmente entende a importância da imunização contra este vírus devastador. Isso inclui não só grupos de riscos, mas se possível, toda a faixa etária com estudos garantidores de aplicação de imunizantes. O governo de São Paulo garante a imunização da faixa etária entre 12 e 17 anos, ainda que sem comorbidades. Um alento.

ESPERANÇA AINDA VIVE
Isa foi imunizada com a primeira dose contra a Covid. Espero que nossas autoridades possam rever “pré-conceitos”, para que todos, sem exceção, tenham acesso à imunização. O último julgamento é uma canção tão atual quanto no momento em que foi composta. Não importa a crença, é um momento de repensar atitudes, especialmente quando a consciência coletiva deve falar mais alto que os egos, tão naturais do ser humano.

VACINA SIM! SEMPRE
Aos leitores de minha coluna, meus respeitos. Os fatos de Pirapozinho e região serão destaques na próxima edição. Até!

Veja também