A fé e o poder

Persio Isaac

CRÔNICA - Persio Isaac

Data 13/06/2021
Horário 06:40

Lendo o livro “Os Crimes dos Papas”, do escritor francês, Maurice Lachâtre, fico convencido que a criação do clero, das igrejas e do papado não foi inspirada no exemplo de Jesus Cristo e sim num projeto extremamente ambicioso de poder, usando a fé como um instrumento de manipulação. O fanatismo religioso, a ignorância, o medo foram um campo fértil para esse projeto ambicioso de poder nascer. 
Todos têm medo do inferno, todos querem ir para o céu, essa dualidade de desejos maniqueísta impera até os dias de hoje.  A Idade Média foi a época mais obscura da história do mundo. Os papas se autoproclamaram os únicos representantes de Deus na Terra. Com isso, a fortuna da igreja crescia, os papas iam vivendo na abundância e no extremo luxo. Com esse status, fizeram as mais terríveis guerras em nome de Deus. 
Unidos com os reis, criaram julgamentos absurdos, classificando de hereges as pessoas que não serviam a tal fé cristã. Queimavam as pessoas e livros que iriam fazer as mentes se abrirem rumo ao conhecimento. Até o sorriso poderia ser condenado se assim os papas quisessem. A liberdade assusta para quem está no poder. Mortes, envenenamentos, adultérios, pedofilia, incestos, fome e desgraça foram o cardápio da insensatez desses homens ditos de Deus. 
Cada vez mais se distanciaram do cristianismo primitivo onde para se sentir mais perto espiritualmente de Deus, não há necessidades de vestes sagradas, nem de locais de cultos e nem de dogmas que foram impostas como verdades absolutas. Uma outra forma que criaram para ganhar dinheiro foram as vendas das indulgências. O clero cobrava para perdoar. Isso revoltou Martin Lutero, que começou a liderar a reforma protestante contra muitos dogmas da igreja católica. Perguntaram a Lutero: "Se tiras tudo dos cristãos, o que lhes pretende dar? Lutero respondeu sem hesitação: Cristo. Jesus Cristo não deixou nada escrito. O seu verdadeiro tesouro não é material e sim espiritual. Disse: "Quando dois ou mais se reunirem em meu nome, lá estarei eu entre eles"... 
Cristo nunca fundou nenhuma religião e nem instituiu nenhuma igreja. Nunca formalizou nenhum tipo de sacramento ou ordenou algum sacerdote. Nunca se subordinou às instituições religiosas dos judeus, dizia: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vai ao pai senão por mim". Cristo nunca quis punir o pecador e sim matar o pecado, mostrando às pessoas um sentido mais nobre e maior para a vida. A espiritualidade é diferente de religião, ela evolui o caráter. Não há comprovação histórica que Paulo fundou a Igreja de Roma. Pedro que foi considerado o primeiro papa nunca exerceu essa função em Roma ou em parte alguma. O Estado Teocrático sempre quis o poder financeiro e político. O mundo precisa de mais Cristo e menos papas.

Veja também