A Mulher de Verdade

DignaIdade

COLUNA - DignaIdade

Data 16/02/2021
Horário 06:40

“A Mulher de Verdade” (“The Palm Beach Story”) é uma grande comédia do cinema dos Estados Unidos de 1942, dirigida por Preston Sturges. Gerry (Claudette Colbert) é apaixonada pelo marido arquiteto Tom (Joel McCrea) e vivem apuros financeiros após 5 anos de casamento. Ela toma uma decisão inusitada: resolve se separar do marido, e usar sua beleza para conquistar um marido rico e, assim, financiar os projetos de Tom às escondidas. Ela parte para uma cidade litorânea e no trajeto acaba encantando o desajeitado e multimilionário John III (Rudy Vallee). Já em Palm Beach, Tom é apresentado ao ricaço como sendo irmão de Gerry, e acaba encantando a irmã do milionário, Princesa Centimillia (Mary Astor). As atrapalhadas confusões que este quadrado amoroso provoca norteiam esta “screwball comedy” (comédia amalucada), um subgênero da comédia americana dos anos 30-40 que misturava sofisticação, romance e humor. Claudette Colbert foi uma das maiores estrelas de cinema da época, tendo sido premiada com o Oscar de Melhor Atriz de 1934 por “Aconteceu Naquela Noite”. Passou por todos os gêneros, mas a comédia era seu ponto forte e, curiosamente, só se deixava fotografar do lado esquerdo do rosto.  
 

“Alzheimer e o risco de fuga”

Um dos grandes problemas nos cuidados com pacientes com doença de Alzheimer é o risco de fuga da própria casa que muitos podem apresentar. Por mais que o cuidador fique sempre de olho, basta um ligeiro descuido para que o paciente escape. Com a disfunção intelectual progressiva e consequente desorientação de tempo e de espaço, os pacientes quando agitados podem ter a tendência de perambular ou, até mesmo, ir em busca de uma casa imaginária. O não reconhecimento do próprio espaço ou a confusão de informações podem fazer com que o paciente, em fases moderadas da doença, possam sair por conta própria sem ter condições de retornar. Para isto, alguns cuidados devem ser tomados antes do primeiro episódio: é importante que o idoso tenha sempre consigo alguma identificação (bordada ou costurada ao bolso, ou uma corrente), com nome, telefone ou alguma informação sobre a doença. Desta forma, caso o idoso escape, fica mais fácil a identificação e ação das pessoas mesmo desconhecidas dispostas a ajudar. O cuidador deve ter sempre consigo fotos recentes ou vídeos das pessoas doentes, para que fique mais fácil o reconhecimento em uma situação de incidente. Quando há portarias (edifícios e condomínios), os porteiros devem ser avisados que os pacientes nunca devem sair sozinhos. As portas e fechaduras devem ser mantidas trancadas, com chaves fora da fechadura e desvie a atenção do idoso sobre a porta com a colocação de cortinas ou fotos e quadros de paisagens. Caso realmente ocorra um episódio de fuga, é necessário realizar um BO (Boletim de Ocorrência) na delegacia ou internet e preencha um formulário específico sobre Investigação Policial sobre Pessoas Desaparecidas. A divulgação e compartilhamento da informação através das redes sociais também ajudam na ação policial, com o cuidado de se também publicar comunicados quando o paciente é encontrado. (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia)

Dica da Semana

Filmes 

Filmes com Claudette Colbert:
Dois dos maiores sucessos de Claudette (1903-1996) ficaram relegados ao passado, pois produções coloridas posteriores passaram a ser mais reprisadas do que suas versões originais. “Cleópatra” (1934), com direção de Cecil B. DeMille teve em Colbert uma das mais perfeitas Rainhas do Nilo. “Imitação da Vida” (“Imitation of Life”) de 1934 traz a conhecida história de duas mulheres, uma branca e outra negra, que prosperam juntas e têm problemas com as filhas adolescentes, traz comovente interpretação de Colbert. A versão colorida de 1959 com Lana Turner, porém, acabou sendo mais popular. 
 

Veja também