A ver navios no aeroporto

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista em ritmo de festa

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 28/11/2020
Horário 05:30

Esse negócio de tentar arrumar a cara-metade pela internet pode dar um rolo danado. Muita gente, principalmente viúvas idosas, já caiu no golpe da falsa promessa de casamento, com grande prejuízo.
Não faz muito tempo, a vítima foi uma viúva de 63 anos, que  perdeu quase R$ 30 mil depois que um homem prometeu se casar com ela. A idosa, que mora em Marília (SP), fez vários depósitos na conta dele em um banco de Gana, na África, totalizando R$ 29.050,00.
Dizendo ser o doutor John Smith, além de fuzileiro naval americano em missão de paz no Afeganistão, ele justificava cada pedido de depósito. O primeiro depósito foi de R$ 250 com a desculpa de que era para pagar documentos.
Depois, meus cupinchas, o malandro começou a exigir mais. De uma só vez, ela depositou R$ 5 mil. Como bom vigarista, Smith justificou que era para comprar a passagem aérea e se casar com ela no Brasil. O amor é lindo.
Logo depois, a viúva depositou o valor mais alto. E tome justificativa do estelionatário. Desta vez, ele disse - vejam só - que precisava pagar uma taxa antidrogas de R$ 15.500 cobrada no Afeganistão.
O vigarista, exercendo o fino da vigarice, pediu mais R$ 4,5 mil. Inacreditável a cara de pau do malandro nesse caso em especial. O espertalhão  justificou que com esse dinheiro compraria, como despedida, presentes para três soldados. Isso é que é amigo, hein?
A idosa também depositou R$ 3,8 mil para a hospedagem do "futuro marido", que prometeu desembarcar em Londrina (PR). Ela foi esperá-lo no aeroporto e, como ele não apareceu, percebeu que havia caído em um golpe, uma modalidade diferente de estelionato, segundo a polícia.
Pois é, a pobre senhora ficou a ver navios no aeroporto e é o caso de se perguntar: cadê você, John Smith?

DROPS

Era um farmacêutico tão eficiente que aplicava até injeção de ânimo.

Queima de arquivo é o único incêndio que os bombeiros não conseguem apagar.

Para mau entendedor meia palavra não basta.

Se a palavra de baixo calão constrange, imaginem a palavra de alto calão.

Uma imagem vale mais que mil palavras e os quadros do Caravaggio comprovam isso.
 

Veja também