Aluna da Unoeste é recebida em intercâmbio por pesquisador Prêmio Nobel

Parceria internacional aberta ao mestrado e doutorado em Agronomia na Kansas State University, Caroline Honorato que tem sua carreira acadêmica toda construída na universidade prudentina acaba de retornar dos EUA

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 25/10/2020
Horário 06:39
Cedida - Caroline Rocha Honorato em frente à Kansas State University
Cedida - Caroline Rocha Honorato em frente à Kansas State University

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Agronomia da Unoeste, com as ofertas de mestrado e doutorado, promove mais um intercâmbio internacional de pesquisa bem sucedido. A estudante Caroline Rocha Honorato acaba de retornar dos Estados Unidos! Ela que tem sua carreira acadêmica toda construída na Unoeste, com formação em Engenharia Agronômica, mestrado e agora fazendo doutorado.

O fato inusitado é de que as portas na Kansas State University, em Manhattan foram abertas pelo Prêmio Nobel de 2007, Dr. Charles Rice, na condição de participante de estudo apresentado no Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC) na ONU, com quem a jovem estudante marcondense pode conviver lado a lado durante o intercâmbio.

Essa história começou em janeiro de 2017, quando uma comitiva da universidade norte-americana esteve no Brasil, em viagem organizada pelo Dr. Ciro Rosolem, pesquisador vinculado à Unesp em Botucatu. Foi naquela ocasião que o Dr. Fábio Rafael Echer conheceu o Dr. Charles, com quem acabou acertando o intercâmbio em 2019, após a manifestação do interesse de Caroline.

Ela foi para Manhattan no final da primeira quinzena de março e lá ficou até o começo deste mês. Devido à pandemia ficou três meses de quarentena participando apenas de algumas coletas a campo e reuniões semanais remotas, do laboratório de microbiologia do solo “Soil Microbial Agroecology Lab”.

Para a estudante o intercâmbio é importante em sua trajetória acadêmica e para a vida. “Não é todo dia que encontramos um Nobel e conviver com um durante esse intercâmbio tornou ainda mais especial minha caminhada, aumentando a vontade de querer ser doutora em agronomia, de fazer ciência e levar conhecimento às outras pessoas”, disse a aluna.

Caroline é grata à família e ao GEA (Grupo de Estudos do Algodão), liderado pelo Dr. Fábio. Nascida e criada em Alfredo Marcondes, onde fez o ensino básico e no segundo ano do ensino médio ingressou na Etec (Escola Técnica) Dr. Antônio Eufrásio de Toledo, em Prudente, para fazer o curso de técnico agrícola; quando surgiu sua paixão por solo e planta.

Por conhecer a estrutura e saber da qualidade de ensino da Unoeste em visitas escolares, assim que concluiu o ensino técnico, ingressou no curso de Agronomia com bolsa do Prouni. O mestrado fez com bolsa da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). E agora o doutorado com bolsa do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Filha da pedagoga Elisangela Rocha, doceira nas horas vagas, e do mecânico de máquinas pesadas Cláudio Honorato, agora o plano de Caroline é realizar doutorado sanduiche em alguma universidade norte-americana. Sua irmã Eloisa, de 17 anos, faz o curso técnico em agropecuária na Etec e a outra irmã Bárbara tem 13 anos.

 

 

Veja também