Alunos do Programa de Permanência Estudantil da FCT/Unesp pedem melhores condições

Estudantes apontam que estão sem restaurante universitário, com moradias lotadas e sem recursos e bolsas

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 24/03/2022
Horário 06:15
Foto: O Imparcial 
Alunos pedem melhores condições de infraestrutura e condições básicas de alimentação
Alunos pedem melhores condições de infraestrutura e condições básicas de alimentação

Estudantes da FCT/Unesp (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista), em Presidente Prudente, buscam por melhores condições de infraestrutura e condições básicas de alimentação no que diz respeito aos alunos que pertencem ao Programa de Permanência Estudantil. Eles apontam que estão “sem restaurante universitário, com moradias lotadas e sem recursos e bolsas”. Os acadêmicos também relatam que o campus sofre com a falta de iluminação.
A fim de relatar a situação, a reportagem seguiu até as proximidades da moradia estudantil, local onde conversou com alguns estudantes. Segundo eles, um comunicado do Comitê Unesp Covid-19, o qual O Imparcial teve acesso, especifica que, a partir do dia 7 de março, as atividades presenciais de ensino de graduação e pós-graduação, pesquisa, extensão, poderiam ser retomadas. 
Contudo, os estudantes do campus de Prudente detalham que não houve nenhuma organização por parte da direção local quanto aos protocolos sanitários de prevenção à Covid-19, quanto àqueles que residem em moradia estudantil. “Quando começou a pandemia, a direção fez um anúncio da qual especificava que os alunos que estavam em moradia estudantil e retornassem para suas casas, não poderiam voltar para instituição”, detalha os estudantes. “Com isso, todos nós ficamos em casa. Mas, com esse retorno das atividades presenciais [7 de março], todos quiseram voltar neste período, porém, a gente não conta com um protocolo de retorno estabelecido”, enfatizam. 
Ainda segundo os acadêmicos, trata-se de uma medida necessária diante do atual cenário, que impossibilita comportar todos os estudantes que estão chegando à FCT/Unesp (calouros e veteranos), e que terão como residência a moradia. À reportagem, eles também detalharam que um bloco (bloco C) ainda está em reforma e sem data de entrega estabelecida, sendo o prazo inicial o fim de fevereiro. Logo, um imbróglio que também traz impacto para o dia a dia dos moradores.

Restaurante Universitário

O RU (restaurante universitário) também é uma pauta colocada nas discussões dos estudantes. Segundo eles, a unidade ficou dois anos fechada, e, neste período, a FCT/Unesp recebeu recursos para executar obras, além de abrir processos de licitação, contudo, atualmente o restaurante não está pronto e, com isso, não oferece refeições aos alunos. “O RU funcionou até o início de 2020, mas, desde então, ficou fechado em razão da pandemia. Por ficar um longo período sem funcionamento, ele precisou passar por algumas adequações e reformas, que já estavam previstas, mas até agora não tem nada pronto”.
É válido ressaltar, no entanto, que, dentre as orientações do Comitê Unesp Covid-19, está a retomada, a partir do dia 7 de março, do funcionamento do restaurante universitário. “Atualmente, não contamos com o restaurante universitário. Hoje, nós temos uma cozinha coletiva que conta com apoio financeiro e de alimentos da população externa, para que a gente possa continuar com a alimentação enquanto o problema do RU não é resolvido”, acrescenta os moradores. 
Outro problema, segundo os acadêmicos, é que existe licitação em aberto, ou seja, até a primeira semana de abril os alunos não terão RU e nem moradia, uma vez que o processo burocrático era para ter sido feito no começo de janeiro e a instituição “deixou para fazer” próximo ao início das aulas. 
Eles também relatam que o imbróglio não diz respeito à nova gestão da instituição, que assumiu a direção oficialmente nesta quarta-feira.

Respostas às reivindicações

Em respostas às reinvindicações, o atual vice-diretor da FCT/Unesp de Presidente Prudente, Ricardo Pires de Paula, reforçou que uma nova gestão assumiu oficialmente a instituição na data de ontem. Desta forma, detalha que, quando os estudantes mencionam o imbróglio com a diretoria, esse diz respeito à gestão passada. “Como hoje [ontem] é o nosso primeiro dia, a gente ainda está tendo contato com a situação da faculdade e vendo onde estão os problemas”, enfatiza.
Ainda segundo o vice-diretor, nesta terça-feira, os alunos puderam apresentar as demandas diretamente ao coordenador da Cope (Coordenadoria de Permanência Estudantil), Mário Sérgio Vasconcelos, que esteve visitando a instituição de Presidente Prudente. “Eles relataram o problema com o restaurante universitário, que não estará funcionando no início das aulas, e o problema da moradia, onde em um dos blocos ainda não foi finalizada a reforma”, detalha.
Ricardo também aponta que, na data de ontem, o reitor da Unesp, Pasqual Barretti, que veio para posse da nova diretoria, conversou com professores, servidores técnico-administrativos e com os estudantes. “Esse contato foi muito importante, uma vez que os alunos também puderam apresentar diretamente ao reitor da universidade as demandas e os problemas que estão enfrentando”, destaca o vice-diretor. “Vamos ver diretamente com a reitoria, aproveitando que ela já está ciente da situação, como podemos encaminhar medidas emergenciais para tentar minimizar esses problemas relatados pelos estudantes”, acrescenta.
Quanto à retomada das aulas, o vice-diretor reforça que a Unesp central não determinou uma data, uma vez que cabe à cada unidade decidir quando inicia o período letivo. No caso da FCT/Unesp de Prudente, ficou definido que o calendário 2022 começa a partir do dia 4 de abril. Contudo, explica que, quando houve o comunicado liberando a retomada das atividades presenciais (7 de março), alguns cursos decidiram realizar atividades práticas ainda do ano letivo de 2021. 

Veja também