Artista de Taciba transforma materiais descartados em arte

Marcos Chiquinato utiliza praticamente tudo que encontra, dando preferência aos mais nocivos ao meio ambiente, como: pneus, garrafas pet, isopor, ferro e vidros

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 30/07/2021
Horário 06:55
Foto: Cedida
Marcos e seu cavalo em tamanho real, uma das grandes e impressionantes peças
Marcos e seu cavalo em tamanho real, uma das grandes e impressionantes peças

“Desde criança sempre gostei da arte, gostava de brincar com argila e criar pequenas esculturas. Primeiro comecei a utilizar materiais descartados, por não possuir condições de adquirir material convencional usado para arte. Contudo, comecei a prestar atenção na forma incorreta que certos materiais eram jogados e o quanto eles se transformavam em prejuízo ao meio ambiente e pra nós mesmos”. Foi desta forma que o artista plástico, Marcos Antonio Chiquinato, morador de Taciba, começou a desenvolver o projeto “Pneu Arte”.
Ele utiliza materiais que seriam descartados de forma irregular no meio ambiente para transformar em verdadeiras obras de arte! Ele fez um cavalo em tamanho real e arreado, o qual levou 30 dias para terminar. Tem um leão também em tamanho real, que ficou pronto em 20 dias. Mas faz ainda outras peças menores, enfeites para jardim.
“O tempo para produção de uma peça vai depender do tamanho e grau de dificuldade que a mesma exige. Já produzi muitas peças de vários tamanhos e com diversos materiais, dentre as maiores posso citar o Hulk de 2,6m [metros], uma girafa de 3m, um tiranossauro de 4m de comprimento e muitas outras”, cita o artista.
Marcos comenta que algumas das peças já foram expostas em feiras de artesanato em cidades da região, como em Presidente Prudente, onde ele inclusive, menciona ter sido honrado com o Troféu Benjamin Rezende, pelo Sarau Solidário da APE (Associação Prudentina de Escritores), promovido por Carlos Francisco Freixo
E conta que em sua cidade tem um bosque, o Bosque Dona Lucinha, que foi decorado com várias peças de animais que ele fez. Outras foram vendidas. “Tenho algumas peças que possuem valor sentimental as quais não estão à venda, mas a grande maioria é para a comercialização”, expõe o artista.

Porque os animais?

Marcos diz que essa é uma pergunta que sempre fazem a ele. E então procura responder que é pelo fato de serem as maiores vítimas do descaso das pessoas com o meio ambiente, como o descarte irregular de materiais nocivos, que provocam a proliferação de doenças, assoreamento de rios, poluição visual, dentre outros problemas sérios. “É uma paixão minha agregar a arte em defesa do meio ambiente. Me sinto como o beija-flor que vai com a gotinha de água e joga lá no incêndio. Então me realizo muito sabendo que humildemente estou fazendo a minha parte”, exalta.

Materiais utilizados

Marcos conta que quando começou, aos poucos foi testando diversos materiais e hoje utiliza praticamente todo tipo de materiais que encontra, dando preferência aos mais nocivos ao meio ambiente como: pneus, garrafas pet, isopor, tecido, ferro, latas, vidros, madeira e muitos outros.
“Fiz um mosquito da dengue [Aedes aegypti] com mais de 1,20m que serve, inclusive, como material pedagógico. Ele que gosta tanto do pneu para proliferar, então tive a ideia de fazê-lo exatamente com pneus. Recolho os materiais que utilizo em borracharias, às margens de rodovias, córregos, pela cidade e que a população doa. O meu projeto ‘Pneu Arte’, tenho parceria com a Prefeitura onde ministro cursos para a população”, informa. 

Fotos: Cedidas

O incrível Hulk de 2,6 m é literalmente um dos gigantes do “Pneu Arte”


Dentre as maiores animais, está um tiranossauro de 4 m de comprimento


 

Veja também