Banana para consumo familiar

REGIÃO - THIAGO MORELLO

Data 18/01/2020
Horário 08:34
Paulo Miguel - Consumo na região é fomentado pela demanda local, que vem do consumo diário, familiar
Paulo Miguel - Consumo na região é fomentado pela demanda local, que vem do consumo diário, familiar

Pra não dizer paixão mundial, a banana é um dos frutos mais comuns do dia a dia, principalmente se o assunto for o Brasil. Apreciada por pessoas de todas as classes sociais e de qualquer idade que a consomem in natura, frita, assada, cozida e em doces, por exemplo. Mas na região de Presidente Prudente, que possui três EDRs (Escritórios de Desenvolvimento Rural), apesar de o consumo até existir, fica muito aquém do cenário nacional e até mesmo estadual. Isso porque, conforme quem entende do assunto, o mercado, assim como de qualquer outra venda, obedece à oferta e demanda. Sendo assim, o oeste paulista acaba não se destacando, uma vez que tem sua produção voltada para o consumo familiar e rotineiro.

Para chegar a essa conclusão, usou-se um levantamento feito pelo IEA (Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo), que divulgou em outubro - última atualização - um balanço da estimativa de área nova e produção da banana nos últimos cinco anos, em todo o território paulista. Os três EDRs que compõem a região: Dracena, Prudente e Presidente Venceslau, ainda estão muito atrás da maioria do Estado. Juntos, por exemplo, de 2014 a 2018, produziram 49 t (toneladas) da fruta, enquanto o EDR de Registro, sozinho, contabilizou 3.978 t.

Entre os três EDRs, a taxa de crescimento maior é o de Venceslau, que, ao longo desta meia década, chegou a 46,9%. Mas é preciso destacar que o número foi de cinco ha (hectares) para 27 ha. Ainda assim, possuiu a menor área plantada nesse tempo, a quantidade mais baixa de área nova e a menor quantia produzida (veja tabela). Pensando nesses segmentos, o escritório de Dracena fica com o destaque na região.

Mas o próprio diretor técnico de lá, Paulo Sérgio Martins, diz que isso não quer dizer muita coisa. Ele explica que a região não possui uma tendência a crescer muito em relação do que produz do fruto, porque tudo que é produzido é para o consumo diário, familiar. “A produção obedece a um mercado local”, completa.

Indo aos fatos, o cenário poder ser definido em uma palavra: maturação. O que isso quer dizer? Que a banana madura muito mais rápido que outras frutas. “E não há o que fazer com ela, não adianta refrigerar, manter num local diferente, enfim, pode retardar minimamente, mas ela vai madurar. E se não consumir, vai estragar”, explica. Sendo assim, Paulo concorda com o fato de que a produção para outras regiões não é viável, pois o tempo de transporte é também um tempo que é perdido, pensando na qualidade do fruto. E estarmos em uma região quente, apesar de não ser um determinante, também influencia.

O argumento também é sustentado pelo presidente do Sindicato Rural de Presidente Prudente, Carlos Roberto Biancardi, que vai além e pontua outras questões como as tecnologias necessárias para o manuseio do fruto. “Talvez se tivéssemos um grande consumo industrial, um fábrica que utilizasse bastante a produção para a fabricação de doces, por exemplo, o número de hectares seria expandido”, completa. Paulo Sérgio fez a mesma observação.

A reportagem também tentou falar com os representantes do EDR de Venceslau para repercutir o cenário, mas o escritório não atendeu às ligações.

CURIOSIDADES

- Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, no dado mais recente, em 2017, o Brasil foi o quarto maior produtor de banana do mundo, com 6.675.100 toneladas, perdendo apenas para Indonésia, China e Índia, respectivamente;

- Nesse mesmo ano, o Estado de São Paulo produziu 1.084.514 t, ou seja, 16,24% do que foi produzido no território nacional;

- Uruguai, Argentina e Reino Unido, nessa ordem, são os principais países importadores de banana do Brasil (dados de 2018).

PRODUÇÃO DE BANANA NA REGIÃO

EDR

2014

2015

2016

2017

2018

Total

Taxa de cresc. (%)

Estimativa de área nova (ha)

Dracena

23

33

33

24

37

150

6,3

Presidente Prudente

15

16

10

3

2

46

-43,5

Presidente Venceslau

5

5

5

8

27

50

46,9

Estimativa de total de área em produção (ha)

Dracena

269

270

242

242

250

1.273

-2,6

Presidente Prudente

152

158

164

135

52

661

-20,6

Presidente Venceslau

91

92

90

108

99

480

3,3

Estimativa de produção (t)

Dracena

7

6

5

5

4

27

-10,1

Presidente Prudente

2

3

3

3

1

12

-18,6

Presidente Venceslau

2

2

2

2

2

10

1

Fonte: IEA

Veja também