Beijos

​O Espadachim, um cronista a favor do beija-flor e da beijoqueira

OPINIÃO - Sandro Villar

Data 19/06/2020
Horário 06:30

Beijo é um tema recorrente na música e na poesia e sei que vocês estão carecas de saber disso. Se não estão carecas, estão ao menos calvos de saber, não é verdade? Orlando Silva, para muitos o maior cantor brasileiro de todos os tempos, "arrasa" na bela canção "Lábios que Beijei", de Leonel Azevedo e J. Cascata.

Como é óbvio, o sujeito se lembra dos lábios que ele beijou e, pelo jeito, a mulher tinha beiços (desculpem, mulherada) à la Angelina Jolie. Orlando canta com emoção. Nessa mesma linha dos "lábios que beijei", Roberto Carlos gravou "Aquele Beijo que Te Dei", grande sucesso dele no tempo da Jovem Guarda, quando Roberto não falava tanta besteira como agora. É um belo rock romântico do rei(?).

Se o camarada não esquece aquele beijo que ele deu, é óbvio que o cara  sente saudade dos lábios que beijou, se me permitem este jogo de palavras meio maroto, citando as duas músicas.

Registro que Roberto também gravou "Splish Splash", versão de um sucesso do cantor Bobby Darin, que morreu jovem. Tinha apenas 37 anos. O beijo é o tema de "Splish Splash", expressão que não deixa de ser a onomatopeia do beijo. Ou seja: seria a imitação do som do beijo, assim como "boom", na escrita, é o barulho da bomba quando explode.

Também cito o belo samba "Beija-me", de Roberto Martins e Mário Rossi, sucesso de Ciro Monteiro, talvez o maior cantor de samba de todos os tempos. A divina Elizeth Cardoso também gravou este samba em um medley com Ciro. Uma novela recente da Globo, "Salve-se Quem Puder", tinha "Beija-me", com Ludmilla em grande forma, na trilha sonora (de vez em quando aparece vida inteligente na televisão, que, por falar nisso, está um show de horror).

Mais recentemente, o criativo Arnaldo Antunes compôs e gravou "Beija Eu", título criticado por puristas do idioma. Em nome da liberdade poética, o cantor manteve o título e lembrou que sua filha diz "beija eu". Coisa de criança, que, como é óbvio, não vai dizer "beija-me", a expressão correta e culta neste caso.

E o clássico sertanejo "Beijinho Doce"? Encanta até hoje plateias Brasil afora e Brasil adentro a bela valsa de João Alves dos Santos, o Nhô Pai. Além das Galvão, dupla que se chamava Irmãs Galvão, "Beijinho Doce", no passado, também fez sucesso com a cantora e sanfoneira paulistana Adelaide Chiozzo, que também foi atriz e brilhou em vários filmes. Houve regravações com novos sertanejos, mas é preferível o bom e velho "Beijinho Doce" das três cantoras mencionadas.

Evidente que há outras dezenas de músicas brasileiras com o tema beijo, entre as quais "Beijar na Boca", sucesso de Claudia Leitte. Logo no primeiro verso, ela já sai "cantando pneu", dizendo que "eu quero mais é beijar na boca". E quem não quer beijar a Claudia Leitte na boca? Aliás, com aquela beleza e formosura, a loura é mais do que um mulherão: é um cavalo de raça, diria Stanislaw Ponte Preta.

Agora, o cronista destaca algumas canções internacionais. De cara, "Besame Mucho", da compositora e pianista mexicana Consuelo Velazquez. É um bolero que correu o mundo, está na trilha sonora até de filme chinês e pode ser inserido na lista dos 20 melhores boleros. Há inúmeras gravações e, no Brasil, "Besame Mucho" fez sucesso com a orquestra de Ray Conniff.

E quem ainda não ouviu não pode deixar de ouvir a bela canção "One More Kiss Dear", do grupo Vangelis. Faz parte da trilha sonora do filme "Blade Runner", com Harrison Ford no papel principal. E um dos maiores sucessos de Elvis Presley tem o beijo como tema. É "Kiss Me Quick". Alguns críticos tacharam a música de brega, o que parece injusto. "Kiss Me Quick" caiu no gosto do público e isso é o que importa.

Descobri também a cantora Shania Twain, que está bem na música "When You Kiss Me". Música boa e agradável. Clima romântico. Por falar de beijo não poderia ser diferente. Shania dá o recado em uma gravação de pouco mais de quatro minutos. Sobre o nome da moça, quase que, na pressa, troquei o S pelo X e por pouco não eliminei o H e o I.

 

DROPS

Giromini girou tanto que se enroscou.

Filme da Semana no Cine Brasil: “A Lei Acima de Todos”.

Direito de ir e vir, desde que se use máscara.

Publicidade
eixosp

Veja também