Bilionários

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista a favor da pinga e do pingado, a primeira com moderação (meia garrafa por dia) e o segundo, com pouco açúcar

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 27/09/2020
Horário 05:32

O Brasil tem 43 bilionários e cinco deles são donos de fortunas indestrutíveis. Os cinco Tios Patinhas detém 50% da renda do país, o que corresponde ao que ganha a metade da população (100 milhões de brasileiros pobres e pobretões). 
Em outras palavras: uma multidão não se vira nos 30 mil, se vira com migalhas e, se continuar desse jeito, pobre tende a desaparecer no Brasil, como vaticinou o fabuloso Stanislaw Ponte Preta.
Entre os cinco bilionários estão o cervejeiro Jorge Paulo Lemann, o homem mais rico do Brasil, com US$ 29,2 bilhões, e o banqueiro Joseph Safra, com colossais US$ 20,5 bilhões e, portanto, o segundo mais rico.  
Em suma: Lemann é o Tio Patinhas 1 e o Safra é o Tio Patinhas 2. Gostaria de saber o segredo deles para se tornar um bilionário, se bem que a condição de milionário já estaria de bom tamanho, é ou não é, tigrada?
Quem não quer ser um milionário? E bilionário é ainda melhor, com uma senhora grana preta e de outras cores, incluindo aí as verdinhas. Respeitosamente, pretendo me dirigir ao Lemman e ao Safra para, como afirmei acima, ser orientado na arte de ganhar dinheiro graúdo e não  dinheiro de pinga.
Presumo que o Lemann, que passa a maior parte do ano na Suíça, começou ralando e ralando muito, se me permitem esse linguajar popular para designar o sujeito que dá duro, ou seja, que trabalha muito e, às vezes, enriquece e rejuvenesce (grana também é para cuidar da cara e do visual em geral).
Acho que o Lemann, ainda jovem, ganhou um Lemão e, em vez de se queixar da vida, fez uma Lemãonada, o que é melhor do que nada. O lema do Lemann é ganhar dinheiro e ninguém tem nada com isso. Ele descobriu o caminho das pedras e, hoje, nada em dinheiro e não se afoga.     
Quem também nada em dinheiro, com pulos ornamentais na piscina, é o Safra. Está no topo da pirâmide social e não sei se tem alguma preocupação social e, com tal expressão, gostaria de saber se o ilustre banqueiro dá pelo menos a mínima aos pobres que estão na base da pirâmide.
Alguns humoristas garantem que banqueiro não morre de enfarte porque não tem coração ou, se tiver coração, é de pedra ou de madeira. Acho que não é o caso do Safra, que deve ter bom coração, pois há ótimos cardiologistas especializados em corações bilionários.
Espero que o Safra, que vai colher ótima safra este ano, me ensine a ganhar dinheiro, pois não suportaria passar o resto da vida sem uma Ferrari na garagem (cansei das carroças brasileiras). Se o Safra não me ajudar, assim como o Lemann, serei obrigado a recorrer ao Rei Midas, na esperança de receber algum ouro, mesmo que seja ouro de tolo.

DROPS

Quem ama o feio precisa usar óculos.

Quem casa quer casa, nem que seja do Programa Minha Casa, Minha Vida.

A Lava Jato leva jeito para destruir empregos.

Brasil, ame-o e conserve-o (recado para ecologistas).
 

Veja também