Bons hábitos de higiene bucal evitam infecção pelo novo coronavírus 

Dentistas de Prudente dão dicas para evitar colocar o vírus em contato com a boca, que é uma das portas de entrada da Covid-19 no corpo humano

Saúde & Bem Estar - MARCO VINICIUS ROPELLI

Data 27/09/2020
Horário 14:25
Cedida - Manfredi atuando em seu consultório com as devidas paramentações contra a Covid-19  Cedida - Manfredi atuando em seu consultório com as devidas paramentações contra a Covid-19  Imagem: Cedida - Manfredi atuando em seu consultório com as devidas paramentações contra a Covid-19 

A higienização da boca é algo importante e não é de hoje. O uso de escovas de dente com cerdas macias, pasta, fio dental e enxaguante bucal sempre foi e continua sendo imprescindível. Uma questão que se coloca, entretanto, é: existe alguma relação entre a saúde bucal e a Covid-19, visto que a boca é uma das portas de entrada para o vírus que causa a doença? 
Segundo dentistas ouvidos pela reportagem, não há documentada relação direta entre saúde bucal e a doença, mas existem alguns detalhes importantes de higiene que, se cumpridos, podem evitar contaminações.

"Tire a mão da boca!"

Quantas crianças não ouvem todos os dias essa frase de pais, avós, parentes? É um ensinamento antigo e que agora tem mais relevância ainda. Sabe-se, conforme explica o cirurgião dentista Rodrigo Rangel Bongiovanni, que a mão pode levar muitos agentes infecciosos até a boca e o novo coronavírus é um deles. Nesse caso, além de conservar o hábito higiênico de não colocar as mãos na cavidade bucal, que se tenha atenção quando for manipular objetos como escova de dentes e fios dentais. “É necessário, antes das manipulações, que higienize as mãos lavando com água e sabão”, pontua Rodrigo.

Cada escova em seu quadrado

Bongiovanni lembra que o ideal é que se troque de escova de dentes a cada dois ou três meses, mas agora, em contexto de pandemia, algumas novas recomendações fazem bem se tomadas. O dentista ortodontista Guilherme Gonçalves do Prado Manfredi reprova enfaticamente o hábito de compartilhar escovas de dente. Rodrigo vai além, recomenda que, neste período, as pessoas coloquem suas escovas em um recipiente onde somente elas farão manipulação, tal recomendação vira regra quando há alguém contaminado na casa. 
Sobre a higienização bucal de pessoas contaminadas pela Covid-19, Rodrigo Bongiovanni afirma que se pode, uma vez ao dia, desinfetar a escova de dentes com álcool 70%. 
Mais que isso, Guilherme aconselha, também, após a cura da doença, que a pessoa descarte a escova, não por risco de reinfecção do paciente, mas por uma questão de saúde familiar. O descarte, ele lembra, precisa ser seguro, totalmente vedado e com aviso ao profissional que irá manipular o lixo. 

Foto: Cedida

odontologista de presidente prudente fala sobre saúde bucal em tempos de pandemia
Bongiovanni explica que escova de dentes pode ser higienizada com álcool 70% 

Veja também