Câmara encaminha relatório de CPI sobre transporte público para Semob

Análise feita pelo parlamento no ano passado já apontava “falta de condições de operacionalização e desrespeito ao usuário”

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 17/06/2021
Horário 09:58
Foto: AI da Câmara
Relatório foi encaminhado ao Poder Executivo em 2020, ou seja, na administração anterior, que não tomou as providências necessárias e cabíveis
Relatório foi encaminhado ao Poder Executivo em 2020, ou seja, na administração anterior, que não tomou as providências necessárias e cabíveis

Atrasos, superlotação durante a pandemia, má qualidade na prestação de serviços. Falta de operacionalização financeira e técnica, além de desrespeito ao usuário. Em que pese ser atual, a análise foi feita pela Comissão Parlamentar de Inquérito da “Transparência do Transporte Coletivo” no ano passado. Assim, a Câmara Municipal de Presidente Prudente encaminhou o relatório da CPI ao Poder Executivo diante dos novos fatos: constantes greves e descaso com o trabalhador da concessionária do serviço público.

O ofício assinado pelo chefe do Legislativo prudentino, vereador Demerson Dias (PSB), em nome da 18ª Legislatura, foi protocolado ontem na Semob (Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e Cooperação em Segurança Pública), endereçado ao chefe da pasta, Luiz Edson de Souza.

“O relatório é claro ao demonstrar que a empresa Prudente Urbano não tem condições de permanecer operando no município, quer seja financeiramente, quer seja operacionalmente, quer seja em respeito ao usuário”, aponta o documento.

A Câmara ainda aponta que encaminha o relatório “para as medidas necessárias para que esta pasta possa observar na fiscalização, muito além do cumprimento de decretos do Executivo para que usuários sejam transportados sentados, sem aglomeração”.


AI da Câmara - Usuários do transporte coletivo foram ouvidos no transcorrer das atividades da CPI

O relatório final da CPI da Transparência do Transporte Coletivo foi assinado pelo hoje vice-prefeito municipal Izaque Silva (presidente da CPI), juntamente com o vereador Enio Perrone (relator) e o ex-vereador Adão Batista (membro).

Durante o transcorrer das atividades da Comissão, os parlamentares ouviram testemunhas e usuários do transporte coletivo, avaliaram o cumprimento do contrato, além de constatarem presencialmente a lotação dos ônibus da empresa concessionária do serviço público, mesmo durante a pandemia da Covid-19.

Cabe ressaltar que o relatório foi encaminhado ao Poder Executivo em 2020, ou seja, na administração anterior, que não tomou as providências necessárias e cabíveis.

“Tirando as medidas de exonerações de comissionados que já ocorreu, e constantes no relatório final da CPI, as demais medidas carecem até hoje de providências urgentes por parte do Executivo”, analisa o ofício com o relatório final encaminhado ao secretário de Mobilidade Urbana e Cooperação em Segurança Pública.

Veja também