Comandos de facção partem do interior dos presídios da região

Mandados contra integrantes do grupo ocorreram em pelo menos 4 presídios da região e fazem parte de ação interestadual

Arquivo - Entre as unidades alvo da Operação Echelon estava a Penitenciária de Junqueirópolis
Arquivo - Entre as unidades alvo da Operação Echelon estava a Penitenciária de Junqueirópolis

Fragmentos de manuscritos encontrados por agentes penitenciários nos esgotos da P2 (Penitenciária Maurício Henrique Guimarães Pereira) de Presidente Venceslau resultaram em uma operação interestadual que, após 12 meses, foi batizada de Echelon e deflagrada ontem, com a intenção de combater uma célula de organização criminosa que atua dentro e fora dos presídios paulistas, mas também de todo o país. Conforme o Deinter-8 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), em balanço divulgado na noite de ontem, das 65 pessoas presas em todos os Estados envolvidos, 27 foram no Estado de São Paulo. Segundo o promotor de Justiça, Lincoln Gakiya, a cúpula e liderança da facção, de fato, encontram-se na região, por isso o início da operação em Venceslau, mas lembra que os mandados cumpridos ontem no oeste paulista, que inicialmente estimavam-se serem cerca de 20, ocorreram com pessoas que já estavam dentro de unidades prisionais.

Os trabalhos de ontem são resultado de uma ação conjunta entre a Polícia Civil, o MPE (Ministério Público Estadual) e a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) e, conforme o promotor de Justiça, os alvos na região, que estavam nas penitenciárias de Presidente Venceslau, Pracinha, Junqueirópolis e Pacaembu, por estarem presos, passam a responder, portanto, por mais um crime. Os números atualizados no início da noite de ontem mostram que foram, em todas as regiões do país em que houve a operação, 50 mandados de prisão em penitenciárias e 13 cumpridos fora das unidades, e duas em flagrante durante buscas, totalizando 65 pessoas. Além disso, 56 mandados de buscas foram cumpridos, bem como um mandado de prisão de uma mulher, que foi capturada por tráfico de drogas.

“É fato que a liderança da facção está toda na região de Prudente, mas não há que ter preocupação por parte dos moradores locais, já que se trata de integrantes já presos e que não possuem ligação com aqueles indivíduos que cometem crimes nas ruas. De qualquer forma, desenvolvemos várias investigações na região, justamente para coibir a prática dos crimes”, salienta Lincoln.

 

Operação Echelon

Oriunda dos manuscritos encontrados nos esgotos da penitenciária de segurança máxima de Venceslau, a operação teve início quando a Polícia Civil foi acionada para apurar o caso e, após a identificação técnica de sete líderes de organização criminosa, os trabalhos revelaram a existência da célula “sintonia de outros Estados e países”. Segundo a corporação, foi detectado o envolvimento de 103 integrantes, entre os quais 75 seriam presos ontem em 14 Estados. Em consonância, policiais civis de todo o país cumpriram 59 mandados de busca e apreensão, conforme dados previamente informados ontem.

O Deinter-8 esclarece que o grupo investigado é responsável por acirrar a disputa de facções no país, contabilizando mais de uma centena de mortes, de forma que constitui parte da operação o compartilhamento inicial de provas sobre 12 homicídios.

A deflagração também teve por objetivo investigar o envolvimento em outros homicídios e desaparecimentos de pessoas em todo o país, a partir de um domínio único dos líderes da organização que engendraram o esquema criminoso. Até o momento, mais de uma tonelada de drogas foi apreendida. Um dos líderes da célula criminosa que autorizava mortes quase que diariamente foi preso no dia 10 de maio, no Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica), quando retornava da Bahia.

Veja também