CONFUSÃO DE INFORMAÇÕES

REGIÃO - TONINHO MORÉ

Data 15/05/2020
Horário 03:08

As informações entre governo federal, Estado e município se mostram um tanto confusas para os empresários e para quem vive do comércio informal. Nas cidades da nossa região, a maioria sobrevive da área comercial e na quarentena tenta ajustes e improvisos nos negócios para manter pelo menos parte do faturamento. 

REDES SOCIAIS E AS INTRIGAS

Enquanto os empresários, lojistas e informais tentam de ajustar, o “couro come” nas redes sociais, especialmente no Facebook. Existem os que são a favor da quarentena e outros que não. O interessante é que os nomes dos governadores são os mais comentados sendo apontados como os culpados por tudo o que está acontecendo.

CONFINAMENTO DAS PESSOAS

Pessoas do mundo inteiro nunca imaginaram que um dia teriam que passar por confinamento. A situação de ficar em casa o tempo inteiro é difícil. Quem mora em espaços pequenos com bastante gente sofre muito e daí surge o “estresse” natural. Às vezes, o nível de irritação vai lá em cima. “Não é fácil viver assim”, comentou uma mãe que fica o dia inteiro em casa com três crianças e o marido. 

FUTEBOL FAZ FALTA

Para os homens, o que vem fazendo falta mesmo é o futebol. Nas saídas raras da gente pela rua, sempre encontramos algum torcedor que diz, “poxa, se tivesse pelo menos o futebol, as coisas ficariam mais fáceis”. Futebol é sempre um bom divertimento.

VEREADORES TRABALHANDO

Em Presidente Venceslau, os vereadores têm mantido os trabalhos normais com sessões ordinárias às segundas-feiras, às 20h, na Câmara Municipal. A presença do público está suspensa e todos os vereadores dispensados do uso do paletó e com a obrigação de utilizar máscaras.

CASOS DE CORONAVÍRUS PREOCUPAM

Motivo de dúvida para boa parte da população, o coronavírus está chegando e aos poucos se alojando em meio às cidades de toda a região. Todos os dias surgem casos novos, atingindo também áreas urbanas consideradas pequenas. Todo cuidado é pouco. Siga os protocolos de segurança, como lavar as mãos, utilizar álcool com gel, espirrar na junção do braço, usar máscara e manter distanciamento social.  

A VEZ DO “DELIVERY”

Um serviço que se tornou essencial nos últimos dias é o da entrega em casa, os famosos “delivery”. Em Presidente Venceslau, a gente vê motociclistas trabalhando o tempo todo. As empresas fazem os anúncios por canais de internet e conseguem atrair os consumidores que estão em casa.

“HOME OFFICE” VEIO PARA FICAR

Outro modelo de serviço que veio para ficar com a pandemia do coronavírus é o trabalho em casa, ou “home office”. Este estilo de serviço já era muito utilizado em países desenvolvidos e agora tem sido uma das opções para quem atua em áreas de informática, programação, contabilidade, informação, direito e outros. A pessoa fica em casa e cumpre a pauta de serviço através de uma conexão de internet. Acho que veio para ficar. 

DURAN PREOCUPADO

O prefeito Jorge Duran (PSD) abriu uma luta para proteger os agentes penitenciários nesta pandemia do coronavírus. Pediu para os governos federal e estadual que incluam os profissionais desta área entre os que são obrigados a receber os EPIs (equipamentos de proteção individual). Tem conseguido ser ouvido. Os agentes precisam desta proteção, pois a disseminação do coronavírus também vem ocorrendo dentro das penitenciárias. 

UNIPONTAL

E falando em prefeito Duran, o mesmo cumpre seu segundo mandato em Presidente Venceslau e está à frente, neste momento, da Unipontal (União dos Municípios do Pontal da Paranapanema). Duran trabalha forte na área regional, buscando recursos para as cidades associadas e também espaço político, talvez visando futura candidatura a deputado estadual.

RENATO FERRARI

Renato Ferrari, intensivista, cedeu entrevista ao nosso blog nesta semana. Falou sobre o trabalho que realiza como coordenador da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de Presidente Venceslau. Disse que a santa casa da cidade está bem servida, mas se preocupa com o avanço da Covid-19. Aproveitou a entrevista para pedir que as pessoas não negligenciem o coronavírus e se cuidem o máximo possível.

Veja também