Coração: sua função em risco

Jair Rodrigues Garcia Júnior

Um músculo que se contrai 115.200 vezes e bombeia 7.200L de sangue por dia. Um órgão que não pode falhar nem por 3 min, sob risco da falta de perfusão de sangue no sistema nervoso e demais órgãos causar falhas fatais. Porém, são 14 milhões de brasileiros que sofrem de doenças cardiovasculares (DC), com o coração sob risco de falhar. Esse evento fatal ocorre em 400 mil destas pessoas por ano, ou seja, 30% das mortes por todas as causas (Soc. Bras. Cardiologia, 2021).

RISCOS NÃO MODIFICÁVEIS
Entre os fatores de risco para formação de placas de ateroma e DC, alguns não são passíveis de nossos cuidados ou intervenção de profissionais. São eles: histórico de DC na família (hereditariedade), idade (envelhecimento aumenta o risco), sexo (homens têm maior propensão). Fatores como etnia e concentração de testosterona também são elecados neste grupo em alguns estudos.

RISCOS MODIFICÁVEIS
Neste grupo o número de fatores de risco é maior e os cuidados fazem bastante diferença. Os principais são: sedentarismo (< 150 min de exercícios vigorosos por semana), dieta (excesso de calorias, de gordura animal e de açúcar/doces), sobrepeso (IMC > 25 Kg/m2), colesterol, LDL e triglicerídeos elevados (em razão da dieta ou problemas metabólicos), hipertensão arterial (> 130/90mmHg), resistência à insulina e diabetes (glicemia > 100mg/dL), homocisteína elevada (> 15µmol/L), estresse e tabagismo.

OUTROS FATORES
Mesmo quando esses fatores de risco modificáveis estão sob controle, em razão dos comportamentos saudáveis, uso de medicamentos ou ambos, algumas pessoas desenvolvem aterosclerose, que pode começar a dar sinais ou ser detectada num exame de imagem ou eletrocardiograma de esforço. Um exame preventivo adicional é da Proteína C Reativa (PCR), uma proteína que causa inflamação sistêmica crônica e que tem sido observada aumentada (>2,0mg/L) nas DC. E, mesmo quando os valores de colesterol, LDL e HDL estiverem normais, verifique a distribuição do colesterol, calculando a razão entre o colesterol total e a HDL. O valor dessa divisão col total/HDL não deve ser maior que 3,5.

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO
O fato é que precisamos nos envolver 100% com a prevenção primária, que são os comportamentos saudáveis, e prevenção secundária, que são as consultas e exames periódicos. Observe novamente a lista dos riscos modificáveis e seja sincero consigo mesmo: o que está funcionando e o que está falhando? Observe novamente os riscos não modificáveis, pois se você tiver algum deles, sua prevenção primária e secundária não pode falhar. Entre os comportamentos, a prática de exercício físico é considerada o mais positivo e poderoso, pois previne outros fatores de risco e a própria DC. E, mesmo quando o treinamento físico falha na prevenção e acontece o infarto, o coração treinado mais forte e resistente nos protege do pior.

 

Precisamos nos envolver 100% com a prevenção primária, os comportamentos saudáveis, e prevenção secundária, as consultas e exames periódicos.

 

 

Veja também