Criança Diz Cada Uma

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista que não fica em cima do muro

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 30/05/2021
Horário 05:30

A Mariazinha ficou cabreira quando a mãe dela convidou um casal amigo para almoçar. Não por causa do convite, mas pelo o que ela ouviu. A filha escutou a conversa da mãe com a amiga no celular de última geração: "Te espero pro almoço de domingo, vou preparar aquele prato que você e o Anacleto tanto apreciam: carne de sol com macaxeira", explicou a mãe da menina.
Depois de ouvir a conversa, Mariazinha se trancou no quarto e lá ficou um tempão. Seu comportamento mudou, ela já não era mais a menina alegre, quase travessa, de antes.  
No domingo, coisa de meio-dia, apareceram os comensais, ou seja, o casal amigo chegou para filar a boia. Foi recepcionado pela mãe da menina, enquanto o pai descascava a macaxeira na cozinha. Logo depois o almoço foi servido. E a Mariazinha? Ela continuava trancada no quarto.
"Vem comer carne de sol, minha filha", disse a mãe. Foi difícil convencer a garotinha, mas, logo depois, ela saiu do quarto chorando e não quis almoçar. Preocupada, a mãe quis saber o motivo. "Vocês mataram o sol para fazer carne. Eu não vou comer o sol de jeito nenhum", afirmou Mariazinha, que naquele domingo preferiu jejuar, mesmo com as explicações sobre o prato em questão, uma iguaria nordestina para comer lambendo os beiços.
E outra menina, que passava a maior parte do tempo trancada no apartamento em São Paulo, divertindo-se com a babá eletrônica (tevê), foi passar férias na fazenda dos avós. Ela nunca tinha visto uma galinha antes. Estava com a mãe no quintal da casa quando uma galinha cruzou o terreno em disparada, quase em voo de galinha, que é como está a economia brasileira nesta época do "Deus nos livre e nos guarde".
Mas, dizíamos, a galinha passou e a garotinha gritou: "Olha, mãe, lá vai uma Knorr". A mãe, óbvio, gastou saliva para explicar tintim por tintim, sem a interferência do repórter Tintim, ou, como disse um locutor, tantã por tantã por causa da origem francesa da expressão.
Já no programa “The Voice Kids”, um menino, depois de cantar, conversou com o cantor Victor, aquele que a Globo colocou na geladeira junto com o Zé Mayer. "Você canta há quanto tempo?", perguntou Victor, ao que o garoto, brincando, respondeu: "Canto desde que eu era pequeno". Genial, coisa do Baltazar da Rocha, personagem do saudoso comediante Walter D´Ávila.
E logo depois da tragédia com o time da Chapecoense, uma menina foi entrevistada pela televisão e falou bonito: "Eles subiram, subiram e chegaram ao céu". Perfeito e aproveito para fazer um agradecimento póstumo ao jogador Cleber Santana, que um dia ajudou o Santos a ser campeão.

DROPS

Morreu Nelson Sargento, o general do samba.
(Jornal Público, de Lisboa) 

O sol nasce pra todos e a sombra pra uma minoria.

Em outros tempos, a lua era dos namorados e, hoje, é da Nasa.

Todos são iguais perante a lei... da gravidade.

Vai reformar ou construir?
CASA DAS TINTAS, a loja do Élcio, tem as melhores tintas. Av. Ana Jacinta, 1.663 - 99132-0716

Veja também