Cuidados com recém-nascidos na pandemia do coronavirus

Profissional alerta para o uso de máscaras apenas a partir dos seis anos de idade e afirma que higiene pessoal dos pais faz toda a diferença neste momento 

REGIÃO - GABRIEL BUOSI

Data 09/07/2020
Horário 08:04
Freepik: Recém-nascidos exigem cuidados especiais durante a pandemia  Foto: Freepik: Recém-nascidos exigem cuidados especiais durante a pandemia 

Em tempos de pandemia, o cuidado com a saúde e as práticas de higiene são fundamentais e fazem toda a diferença no processo de prevenção à doenças como a Covid-19. Neste momento, no entanto, muitas famílias se veem diante da chegada de um novo bebê e junto dele diversas dúvidas, como: os pais devem usar máscaras dentro de casa, quando em contato com o recém-nascido? E a criança, precisa de máscaras? Ou então sobre o álcool em gel, ele pode ser usado na pele do bebê? Pensando nisso, O Imparcial questionou estes e outros temas para o infectologista André Pirajá, e de cara já vem o primeiro alerta: máscaras de proteção apenas para crianças maiores de seis anos. 

“Antes dos seis anos, as crianças não possuem capacidade cognitiva e motora para permanecer de máscaras, o que pode levar a um quadro de asfixia, especialmente nos recém-nascidos”, aponta o especialista. Justamente por este e outros motivos é que os cuidados redobrados em casa são necessários, para evitar a exposição ao novo vírus. Pirajá lembra, desta forma, que ao chegar em casa, os pais ou cuidadores devem lavar as mãos sempre, antes e depois do contato com o bebê, assim como utilizar roupas limpas e que não tiveram contato com o ambiente externo e que possam estar contaminados.

“Ressalto ainda o fato de que é preciso evitar as visitas ao máximo possível e lembro que, em casa, os pais não precisam usar máscaras para ter contato com os bebês, a não ser que tenham testado positivo para a doença”, ou então apresentem algum sintoma respiratório e que pode ser um sinal da Covid-19. Já sobre o uso do álcool em gel, o infectologista alerta que a pele das crianças, especialmente dos recém-nascidos, é extremamente sensível, o que dispensa a necessidade de utilizar o produto, que pode, inclusive, causar queimaduras. “Daí, mais uma vez, a necessidade de os pais, sim, redobrarem os seus cuidados de higiene e reclusão social”, finaliza. 


“Antes dos seis anos, as crianças não possuem capacidade cognitiva e motora para permanecer de máscaras, o que pode levar a um quadro de asfixia, especialmente aos recém-nascidos”
André Pirajá, infectologista

 


 

Veja também