Desaforo

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista que tem endereço fixo: Sistema Solar, Via Láctea

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 21/08/2020
Horário 05:31

Afinal de contas, depois de tanta contagem, desaforo a gente leva ou não para casa? Também sobre este assunto confesso a minha abissal ignorância. Em outras palavras: não tenho a menor e nem a maior ideia. Acho que é assunto para especialistas, como psicólogos e outros profissionais que ganham a vida estudando a mente humana.
"Não levo desaforo para casa", dizem aqueles que se irritam com críticas ou durante uma acusação mais acalorada até com o melhor amigo. E partem para a ignorância. Ou partem para as tais vias de fato, vias por onde, aliás, não trafegam carros, mas isto é apenas mais um nonsense do cronista.
A meu ver, o bom senso recomenda levar desaforo para casa, por mais desagradável que seja a ofensa, do que levá-lo para, por exemplo, o hospital e, às vezes, até para o cemitério. Discutiu? Deixa o oponente falando sozinho - ou a falar sozinho, como se diz em Portugal (para evitar o gerúndio) - e vai para casa com o desaforo a tiracolo.
Acredito que com esta atitude, a pessoa que se afasta do valentão evita uma tragédia, ainda mais neste mar de ódio em que se transformou o Brasil.
Deixa pra lá e, como recomenda Jesus, reze pela pessoa com quem discutiu e com a qual quase brigou com socos, pontapés e outros babados. Enfim, preserve a sua vida fugindo de discussões inúteis.
E os poderosos? Como eles reagem com esse negócio de não levar desaforo para casa? O Trump, por exemplo, já discutiu com meio mundo, mas, malandro que é, sempre optou por levar desaforo para casa, no caso, a Casa Branca.
Boris Johnson, o despenteado fã do Trump, parece agir como seu líder americano. O que quero dizer com isto é que o primeiro-ministro britânico também engole sapos e leva desaforos para Downing Street 10, seu endereço em Londres. Evidente que ele pode se irritar se algum engraçadinho lhe enviar um pente de presente. Aí serão outros quinhentos. Ou outras quinhentas libras.
Malandro velho, o Putin, com aquela cara de espião, também parece agir como Trump e Boris. O presidente da Rússia, que tomou gosto pelo poder, também leva desaforo para sua casa conhecida como Kremlin. Presumo que o presidente da Argentina, Alberto Fernández, age da mesma forma e, assim, leva desaforo para casa, no caso, a Casa Rosada.
E o Bolsonaro? Esbraveja, esculhamba a oposição, o Supremo e outras instituições, mas, por enquanto, fica por isso mesmo. Isso significa que o presidente, digamos, se deixou cooptar pelo sistema do "deixa disso" e, ao de leve, também leva desaforo para casa, ou seja, leva para o Palácio da Alvorada, sua residência oficial.
Deixando de lado os poderosos, convém a gente imaginar como fica a situação dos sem-teto. Como eles não têm moradia, para onde levam os desaforos? Que eu saiba, a única opção é o albergue da Prefeitura ou pode ser que se conformam em suas barracas montadas nas ruas e debaixo de viadutos. 

DROPS

Trump joga o verde na Venezuela para colher Maduro.

Partiu para a ignorância e não sabe quando volta.

Steve Bannon metido em encrenca. É da natureza dele.

Mesmo a distância, Weintroub rosna e chama Constituição de porcaria.
 

Veja também