Destreinamento

Jair Rodrigues Garcia Júnior

Certamente, há pessoas que estão com saudade da academia, dos equipamentos, dos pesos etc. Também do professor e dos colegas de treino. Talvez, para alguns, a academia é o que mais está fazendo falta neste período de isolamento social. Treinar em casa não é igual e há preocupação de alguns com a perda da massa muscular, força, aptidão aeróbia etc. Mas, nem tudo está perdido.

PLASTICIDADE
Com o treinamento, os músculos sofrem adaptações, de acordo com os estímulos recebidos, sejam os maiores (sobrecargas) ou menores (interrupção ou diminuição do treinamento). Adaptações moleculares, bioquímicas e morfológicas (forma e tamanho) progressivas que acontecem ao longo do treinamento, regridem parcial ou totalmente com o destreinamento.

FORÇA E POTÊNCIA
A massa muscular diminui em duas semanas de inatividade, em razão da diminuição do glicogênio, das proteínas, da creatina e de água. A força, a potência e a velocidade, que dependem também da velocidade da condução neural nos músculos, resistem por cerca de 10 semanas antes do declínio. A partir de então, a redução é progressiva. Mesmo com meses de destreinamento, atletas não perdem totalmente sua condição, mas os não-atletas podem voltar à condição pré-treinamento.

APTIDÃO AERÓBIA
Em duas semanas diminui a quantidade dos capilares (minúsculos vasos) que irrigam os músculos, levam O2 e nutrientes, e removem as moléculas indesejáveis. Em quatro semanas o volume de sangue, a concentração de células vermelhas, de hemoglobina, a captação de O2 pelos músculos e o número de enzimas oxidativas nas mitocôndrias também diminuem. Mesmo com as perdas, nas pessoas com boa aptidão aeróbia não há regressão para condição anterior de sedentário.

COMPOSIÇÃO CORPORAL
Com a inatividade, a partir de duas semanas, os músculos perdem parte da sensibilidade à insulina e isso diminui a eficiência na captação de glicose. Há também diminuição das enzimas responsáveis pela oxidação (queima) das gorduras. Com a perda da massa muscular, diminuição da quebra de gordura no tecido adiposo e diminuição da queima da gordura no tecido muscular, a composição corporal (% de massa magra e % de gordura) se altera a partir de 12 semanas.

ATIVIDADE PARCIAL
Quando o treinamento diminui em volume e intensidade, mas não cessa totalmente, as perdas levam mais tempo para acontecer e são menores. Com a volta à prática normal, mesmo depois de alguns meses, a recuperação acontece em algumas semanas. Por isso, continue treinando em casa, na melhor condição que tiver.

 

Não há regressão para condição anterior de sedentário.

 

Veja também