Doria anuncia retomada gradativa das atividades econômicas

Retorno das atividades consideradas ‘não essenciais’ varia de acordo com os casos de Covid-19 nas regiões e outras análises

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 27/05/2020
Horário 12:12
Governo de SP - Presidente Prudente se encaixa na faixa amarela da análise
Governo de SP - Presidente Prudente se encaixa na faixa amarela da análise

O governador João Doria (PSDB) anunciou hoje que a retomada gradativa das atividades econômicas no Estado de São Paulo, será a partir do dia 1º de junho. Em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, na capital, estão sendo apresentadas as estratégias distribuídas por DRS (Departamento Regional de Saúde), conforme o Plano São Paulo.

“Quero alertar que a retomada consciente parte do princípio da colaboração de todos e da ajuda conjunta, mas parte também do princípio que estamos monitorando dia a dia a evolução do processo e o respeito à ciência e medicina”, explica o governador. “Se tivermos que dar um passo atrás, não hesitaremos em fazê-lo para proteger vidas”.

  • - Nova etapa da quarentena, denominada “retomada consciente”, é válida de 1º a 15 de junho.
  • - Nova fase do Plano São Paulo vai permitir em algumas áreas retomada gradual e segura de atividades.
  • - Será possível nas cidades que tiverem redução e conscientização nos números de casos, disposição de leitos nos hospitais públicos e privados, distanciamento social nos ambientes, além da disseminação e o uso obrigatório de máscaras.
  • - A nova fase prevê cinco etapas, quando as regiões serão classificadas em fases de acordo com os critérios definidos pela Secretaria Estadual da Saúde e pelo Comitê de Contingência para Coronavírus.
  • - Cada região vai ser classificada em uma fase com base nos critérios: capacidade hospitalar e evolução da pandemia.
  • - A cada 7 dias haverá uma reclassificação com base nos indicadores.
  • - A partir daí a região poderá se mover para fases mais flexíveis – ou regredir.  

Fonte: Governo de São Paulo

“Fizemos as medidas certas, na hora certa. Nós respeitamos a ciência e a medicina, e respeitamos, principalmente, a vida de 43 milhões de brasileiros que vivem em São Paulo”.

(A reportagem de O Imparcial acompanha o pronunciamento do governador e trará os detalhes conforme as medidas forem sendo anunciadas).

Desde o dia 24 de março, o Estado de São Paulo está em quarentena, período em que são desenvolvidas apenas as atividades consideradas como essenciais. A medida divide opiniões na comunidade, e passou a ser alvo constante de críticas quando prorrogadas por mais dois períodos. Na última, anunciada no começo do mês, estendeu o isolamento até o dia 31 de maio.

A medida estava prevista para ser encerrada no domingo 10 de maio, com o relaxamento nas regiões que atingissem índice de isolamento acima de 50% dentre outras análises. No período de isolamento social, somente serviços considerados essenciais como logística, segurança, abastecimento e saúde podem funcionar.

Na época, o governador disse que com a quarentena 51 vidas são salvas a cada dia no Estado e, até o dia 21 de maio, mais de 3,2 mil vidas seriam salvas com a manutenção do isolamento. “A pandemia é a maior provação da nossa história, da minha e de todos vocês. Ela nos pede fortaleza e clama compaixão”, expõe.

PLANO SÃO PAULO

Os requisitos da flexibilização vão se basear em critérios técnicos que incluem, como fatores principais, a redução sustentada dos números de novos casos de Covid-19 por 14 dias e a manutenção da ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em patamar inferior a 60%.

As medidas são semelhantes às adotadas por países como Estados Unidades, Alemanha, Áustria e China.

A retomada total das atividades econômicas será norteada pelo Plano São Paulo, que vem sendo construído em diálogo permanente com o setor econômico. O Estado já recebeu e analisou contribuições de mais de 150 entidades e 250 empresas, que apresentaram mais de 3 mil diretrizes e propostas.

As medidas vão priorizar os setores de acordo com a vulnerabilidade econômica e empregatícia. As áreas de Transportes e Educação receberão faseamento diferenciado.

 

Veja também