E cantar era um ato de sonhar

António Montenegro Fiúza

«E cantar era um ato de sonhar.» 
O primeiro dia do ano trouxe consigo um profundo pesar, “silenciando” a inconfundível e profunda voz de Carlos do Carmo, a voz de Portugal. De timbre grave e afável ecoa, ainda, nos ouvidos de todos aqueles que falam a língua portuguesa, a serena e penetrante voz do fadista.
Carlos do Carmo nasceu nos idos anos 30 e marcou gerações e gerações de lusófonos, tendo atuado em muitos dos países da lusofonia e entre as comunidades emigradas de vários desses.
Esgotaríamos o espaço desta crônica, ao falar das suas variadíssimas condecorações: o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique ou o de Grande-Oficial da Ordem do Mérito; o prêmio Prestígio, pela Casa da Imprensa, o Globo de Ouro de Excelência e Mérito e o de Ouro de Melhor Disco do Ano em 2002, o Prêmio Goya em Espanha e o Grammy Latino, em 2014.
Autor de 29 singles e EPs, 21 álbuns gravados em estúdio e dez outros ao vivo e 12 antologias, deu voz a bandas sonoras de filmes, minisséries e novelas; fez várias colaborações com artistas de diferentes esferas e estilos musicais, desde fadistas a rappers, músicos de jazz e rock; e encontra-se entre os recordistas de venda de Portugal, com mais de 5 milhões de cópias vendidas.
Desafiou a forma tradicional de cantar o fado e foi um dos mentores e embaixador do projeto de candidatura do fado, como Patrimônio Imaterial da Humanidade, no qual investiu seis anos e meio de árduo trabalho. Fundador da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado e mentor  da criação do Museu do Fado, em Lisboa.
Cantar era para ele um ato de sonho, e com Carlos do Carmo, o fado deixou de ser apenas o canto sorumbático de saudade, ganhando contornos de suavidade e alegria, de energia e força. 
A “Pedra Filosofal” de Antônio Gedeão, “Lisboa Menina e Moça”, “Por Morrer uma Andorinha”, “Loucos de Lisboa”, “Uma Flor de Verde Pinho” são canções eternamente imortalizadas, por essa voz de prata.

«(…) Lisboa menina e moça, menina
Da luz que meus olhos vêem tão pura
Teus seios são as colinas, varina
Pregão que me traz à porta, ternura
Cidade a ponto luz bordada
Toalha à beira mar estendida
Lisboa menina e moça, amada
Cidade mulher da minha vida (…)»
Lisboa, Menina e Moça; Carlos do Carmo (cantor), extrato
 

Veja também