Educação, o mecanismo de transformação social

OPINIÃO - José Roberto Vieira

Data 31/07/2020
Horário 04:50

Não se alcançará o almejado status de país desenvolvido através de hipotético projeto político partidário, ou por essa ou aquela opção ideológica pensada para outras realidades, em época diferente. Quiçá pelas determinações do Fundo Monetário Internacional ou lições econômicas da Escola de Chicago.  
Nenhum modelo de país é viável em uma realidade marcada por enorme massa de analfabetos e analfabetos funcionais; além de forças políticas que desconhecem a importância da educação.  
Enquanto a educação não se tornar a finalidade central e última, a principal política pública, o futuro do Brasil será igual, ou ainda pior que o presente. Tal qual sempre foi ao longo da nossa História: uma sociedade injusta, desigual, corrupta, em constante crise política e econômica.
Clima, terra fértil e demais riquezas naturais em abundância não são, por si só, fatores essenciais para o desenvolvimento. Imprescindível a existência de mão-de-obra especializada, conhecimento e tecnologia. 
Crescimento econômico, estabilidade e pleno emprego são conseqüências do nível cultural e do investimento público em educação, ciência, tecnologia e inovação. 
Prevê a Constituição Federal, desde 1988, artigo 205: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”.  
Sem nada saber ou conhecer, o homem é apenas um irracional.  Comprovadamente é a educação que tem esse poder transformador sobre o homem, fazendo-o um pensador da sua existência, importância e finalidade para o corpo social.
Democracia, ainda não tanto assimilada por nós, promoveu a mais profunda mudança histórica na relação governante e governado. O ser humano, que antes apenas ouvia e tinha responsabilidades, no estado democrático de direito passa a ter voz, és senhor de seu destino. Entretanto, para o pleno exercício da sua cidadania, precisa possuir conhecimento. Assim, educação é a condição primeira para manutenção e excelência da democracia.
Esse produto educacional - cidadão - é o ser humano ético, que influencia o destino político do país através do voto consciente e outras formas de participação popular. Cumpre seu dever fundamental de pagar tributos e reivindica apenas “a parte que me cabe neste latifúndio”. 
Portanto, todo suposto esforço político e econômico de promoção de crescimento é inútil. Somente a educação é capaz da transformação social que tanto almejamos.
 

Veja também