Engenharia Ambiental é profissão necessária no mundo

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 21/02/2021
Horário 08:00
Foto: Cedida
 Alunos são estimulados a desenvolver pesquisas desde o início do curso
Alunos são estimulados a desenvolver pesquisas desde o início do curso

Construção civil, indústrias, usinas, resíduos, energia, saneamento e outras milhares de atividades que afetam o meio ambiente. Desde sempre as ações humanas transformam o meio natural e, hoje, as consequências são presenciadas no mundo todo. De fato não é possível parar com a maioria das atividades, mas, com a finalidade de reduzir os impactos na natureza, o engenheiro ambiental assume papel fundamental para o bem da humanidade.

É uma carreira necessária e a coordenadora da graduação na Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), Leila Maria Sotocorno e Silva, ressalta: “Ser engenheiro ambiental é poder olhar com carinho e respeito para a manifestação diária da vida que se apresenta nas mais diversas formas. É poder contribuir um pouquinho com o equilíbrio e manutenção do planeta”.
A Unoeste já formou muitos engenheiros ambientais e sanitaristas que estão em diferentes cantos do Brasil. O sucesso desses egressos envolvem a paixão pela profissão, mas também a qualidade da formação acadêmica.  Afinal, conforme a última avaliação do MEC (Ministério da Educação), esse curso está entre os cinco melhores particulares do estado de São Paulo e entre os 10 contando instituições públicas e privadas. Na região é o primeiro, à frente de instituições públicas.
Diferenciais
Leila destaca os diferenciais que colocam o curso da Unoeste no topo: “Corpo docente qualificado composto por 100% de mestres e doutores e um dos únicos do estado com pelo menos quatro professores engenheiros ambientais. Temos aulas dinâmicas, incentivo à pesquisa e extensão, além da matriz curricular sempre atualizada de acordo com as demandas profissionais e do mercado de trabalho. Os alunos têm muitas disciplinas práticas, com aulas em laboratórios e em campo”.
Leila enaltece o projeto integrador, o qual permite ao aluno compreender que todas as disciplinas são interligadas e que ele deve ter uma visão holística e crítica do ambiente e das ações antrópicas sobre ele. “Temos ainda parcerias com diversos órgãos ambientais da região para fomento de vagas de estágios”, frisa.

Estrutura completa

A Unoeste possui infraestrutura que é referência no Brasil. O curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, por ser multidisciplinar, utiliza diversos laboratórios, sendo os principais: de Química; Física; Informática; Solos (mecânica dos solos); Geologia; Hidráulica e Saneamento; além dos laboratórios virtuais para disciplinas como Resistência dos Materiais, Mecânica dos Solos, Hidráulica, etc. “Em relação à biblioteca, os alunos têm acesso às principais obras da área ambiental, tanto no acervo físico, quanto virtual”.

Sucesso profissional

Antonio Paulo Gomes Cachefo concluiu a graduação em 2009. Há 11 anos trabalha com obras de infraestruturas rodoviárias. “Hoje atuo no Consórcio SGES com a supervisão ambiental de obras rodoviárias na superintendência oeste do DER do Paraná. Faço a verificação de documentações e licenças, ações de medidas mitigatórias para evitar impactos ambientais durante as obras, entre outras atividades. A Unoeste me deu uma base muito boa, com estrutura e corpo docente para que eu pudesse entrar no mercado de trabalho preparado para os desafios”, afirma.

Carolina Guarizzi Sanches Oliveira, formada em 2013, lembra que seis meses após terminar a graduação, passou no processo seletivo da JBS S/A. Na oportunidade, assumiu a planta, realizou licenciamentos, outorgas, implantação de procedimentos ambientais e a ampliação da ETE industrial. “Em seguida assumi outro desafio de implantação ambiental de uma indústria de grande porte, a Colormaq, realizando a gestão de meio ambiente e de responsabilidade técnica junto ao CRQ”. Hoje, ela é prestadora de serviços da Nestlé junto à CCI Ambiental, supervisionando o gerenciamento de resíduos, além de ser sócia-consultora na Conaseg Soluções.

A egressa compartilha ainda que ao longo de sua trajetória acadêmica participou de estágios na área e sempre se dedicou. “Participava de viagens e visitas técnicas, fiz artigos, iniciação científica e participei dos congressos, além de ter organizado eventos acadêmicos. Os professores sempre foram uma inspiração”, lembra.

Formado em 2014 pela Unoeste, Carlos Alberto Garcia Bomfim hoje é engenheiro de SHE (Safety, Health and Environment) na Tereos Açúcar e Energia Brasil S.A, uma multinacional francesa do setor sucroenergético, localizada na região de São José do Rio Preto (SP). Ele conta que a área de meio ambiente dentro do setor que atua é desafiadora, “pois exige do profissional um conhecimento técnico multidisciplinar. Meu escopo de trabalho engloba, por exemplo, gestão de resíduos, tratamento de efluente, recuperação de solos, licenciamento ambiental, tratamento de ar e afins”, explica. O egresso completa ainda que muitas coisas que ele coloca em prática na profissão foram aprendidas na graduação.

Mercado de Trabalho

O engenheiro ambiental e sanitarista tem conhecimentos sobre várias áreas, por isso possui muitas possibilidades. Dentre as atuações estão consultorias ambientais; setores públicos e privados, como indústrias, empresas de energia, saneamento, açúcar e álcool; além da docência e pesquisa.

 

Legendas

 

Foto02: Laboratório de Hidráulica e Saneamento é um dos destaques da estrutura

Foto04:

Foto05: Estudantes fazem experimentos em laboratórios modernos

Foto06: Dra. Leila, coordenadora do curso, frisa a importância do engenheiro ambiental para o planeta

Foto07: Carolina, egressa da Unoeste, hoje presta serviços à Nestlé, supervisionando o gerenciamento de resíduos

Foto08: O engenheiro ambiental Antonio faz o serviço de supervisão de obras rodoviárias na superintendência oeste do DER/PR

Foto09: Carlos Alberto, formado pela Unoeste, é engenheiro de SHE na Tereos Açúcar e Energia Brasil S.A, multinacional do setor sucroenergético

Veja também