Estado retoma hoje aulas presenciais facultativas 

Na região de Prudente, oito municípios reabrem as portas das salas de aula

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 14/04/2021
Horário 04:05
Foto: Arquivo/Roberto Kawasaki
Taxa de Covid nas escolas é “muito inferior” à observada no Estado
Taxa de Covid nas escolas é “muito inferior” à observada no Estado

Escolas da rede estadual de ensino de São Paulo retomam hoje as aulas presenciais. A frequência na instituição não é obrigatória, e o ensino remoto será mantido, com aulas online transmitidas diariamente. Apesar do decreto em razão do avanço para a fase vermelha, que considera a educação básica uma atividade essencial, até ontem, oito municípios da região confirmaram o retorno, sendo que outros aguardam reuniões e atualizações de decretos municipais. 
Da Diretoria de Ensino da Região de Santo Anastácio, Presidente Epitácio e Santo Anastácio confirmaram a volta, conforme informado pela Secretaria Estadual da Educação. De Mirante do Paranapanema, somente Teodoro Sampaio. De Presidente Prudente, apenas Caiabu, Indiana, Anhumas, Pirapozinho e Regente Feijó abrirão as portas hoje. Os municípios da Diretoria de Ensino da Região de Adamantina seguem com aulas remotas, assim como os demais não citados. 
Vale lembrar que as aulas não são obrigatórias e precisam seguir critérios, como o limite máximo de 35% dos alunos por dia em cada unidade e respeito a todos os demais regramentos de segurança sanitária previstos no Plano São Paulo. De acordo com a Secretaria da Educação, a retomada presencial deve priorizar alunos mais vulneráveis, por exemplo: os que têm necessidade de se alimentar na escola; os que possuem dificuldades de acesso à tecnologia e aqueles com a saúde mental em risco ou severa defasagem de aprendizagem.
“A frequência presencial não é obrigatória e o ensino remoto será mantido, com aulas transmitidas diariamente pelo Centro de Mídias da Secretaria de Educação do Estado, aplicativo com dados patrocinados ou pela TV Educação e TV Univesp”, afirma a pasta. Ainda conforme o Estado, as redes municipais e particulares têm autonomia para fazer o próprio planejamento, com respeito aos limites legais e protocolos sanitários. 

Covid nas escolas

Um levantamento divulgado pela Secretaria da Educação afirma que os números de contaminação por Covid-19 em relação aos que frequentam o ambiente escolar estão sempre abaixo da transmissão comunitária. O balanço foi feito pela Comissão Médica da Educação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, a qual aponta que a taxa de incidência de casos confirmados por 100 mil habitantes notificados no Simed (Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para Covid-19) é “muito inferior” àquela observada no Estado.
No período acumulado, desde a primeira até a nona semana epidemiológica, a taxa de incidência notificada pelas escolas públicas e privadas foi 33 vezes menor do que a do Estado. “As escolas são ambientes mais seguros, porque aumentam a garantia de que os protocolos de segurança serão respeitados. Ao mesmo tempo, a escola possui instrumentos para notificar e registrar casos que, muitas vezes, refletem uma contaminação ocorrida fora do universo escolar, reproduzindo os índices registrados na comunidade”, explica o epidemiologista Wanderson Oliveira, coordenador da Comissão Médica da Seduc-SP.

SAIBA MAIS
No dia 22 de dezembro do ano passado, a Seduc lançou o Simed - sistema para registrar casos suspeitos e confirmados de Covid-19 entre alunos, professores e funcionários. Segundo dados da plataforma, entre 3 de janeiro até 6 de março, foram registrados casos suspeitos em 4.858 escolas da rede de ensino do Estado de São Paulo. Destas, 58% das escolas que notificaram não registraram casos confirmados até o momento e as demais 42% registraram um ou mais casos confirmados de Covid-19. A proporção de escolas com casos confirmados foi de 35% na rede municipal, seguida de 40% na rede estadual e 50% das escolas privadas que notificaram e registraram casos confirmados.

Veja também