Flexibilizar e humanizar como estratégia

OPINIÃO - Douglas Fernandes

Data 17/07/2020
Horário 04:28

Com exceção de poucos setores da economia, a grande maioria vivencia uma realidade marcada por queda nas vendas, dispensa de funcionários e inadimplência. A situação econômica que enfrentamos é totalmente atípica, pois temos uma retração brusca na demanda sem o tempo hábil para adequar a oferta e a estrutura operacional. 
O resultado são empresas com estrutura operacional ociosa e com custos não mais suportáveis. Em suma, queda do poder aquisitivo de empresários e trabalhadores, com maior ênfase nos trabalhadores, visto que a maior parte da renda é decorrente da remuneração dos salários.  
Diante disso, o questionamento é o mesmo. Por onde começar?
Ainda que tanto se busque receitas e fórmulas para o momento, não pretendo aqui apresentar respostas simples para problemas complexos, mas convidar a uma breve reflexão.

Se antes as empresas já necessitavam de profissionais em todas as áreas, agora passou a ser uma questão de sobrevivência

Sem dúvidas de que para recomeçar é necessário se reinventar como tanto ouvimos. No entanto, o questionamento continua. Por onde começar? Creio que duas palavras: flexibilizar e humanizar se bem compreendidas podem nos ajudar a planejar a retomada de nossas vidas econômicas. Vamos a elas.
Flexibilizar no sentido de negociar, se abrir ao novo, seja no âmbito de quem vende quanto de quem compra. Aqui não me refiro somente a bens e serviços, incluo ainda a oferta de mão de obra, força de trabalho. Flexibilização das negociações, do fortalecimento do pensamento “ganha-ganha”. Ainda que um tanto paradoxal, digo que se trata de uma visão de médio prazo para garantir o curto prazo. No entanto, flexibilizar sabendo até onde se pode chegar. Assim, se antes as empresas já necessitavam de profissionais em todas as áreas, agora passou a ser uma questão de sobrevivência. Somente com profissionais que sabem até onde os números da empresa suportam, será possível “flexibilizar sem quebrar”.
A segunda palavra, “humanizar”, é no seu sentido mais amplo, de se colocar no lugar do próximo, pois somos o próximo de alguém. 
Se não assumirmos a segunda palavra, não conseguiremos aplicar a primeira com excelência.


 

Veja também