Françoise Forton

DignaIdade

COLUNA - DignaIdade

Data 18/01/2022
Horário 06:08

A atriz Françoise Forton faleceu precocemente aos 64 anos no último domingo, 16 de janeiro, vítima de um câncer. Ela fez parte da história da teledramaturgia nacional tendo atuado em mais de 40 novelas desde a estreia ainda garota em 1969 na trama “A Última Valsa”, na Rede Globo. Seu primeiro papel adulto foi em “Fogo Sobre Terra” (74) como Estrada de Ferro fazendo par romântico com Herval Rossano. Na novela seguinte, foi protagonista ao lado de Yoná Magalhães e Suely Franco como uma das três noivas de Francisco Cuoco em “Cuca Legal” (75). Fez ainda “O Grito” (75-76) e finalmente, seu maior sucesso, “Estúpido Cupido” (76-77) como a jovem Maria Teresa que durante a trama foi eleita Miss Albuquerque, Miss São Paulo e Miss Brasil, nesta trama que se passava na década de 60. Após uns anos afastada da TV, retorna na Bandeirantes em “Sabor de Mel” (83) e “Casa de Irene” (84). De volta a Globo em 1988 em “Bebê a Bordo” onde fez Glória, passa uma década em papéis de destaque em tramas como “Tieta” (Helena, 89), “Meu Bem Meu Mal” (Marcela, 90), “Perigosas Peruas” (Caroline, 92), “Sonho Meu” (Gilda, 93), “Quatro por Quatro” (Clarisse, 94), “Explode Coração” (Eugênia, 95), “Anjo de Mim” (Renata, 96) e “Por Amor” (Meg, 97-98). Uma das atrizes preferidas de Carlos Lombardi fez outros três trabalhos para o autor em “Uga Uga” (2000), “O Quinto dos Infernos” (2002) e “Kubanacan” (2003). Entre 2004 e 2011, foi contratada pelo SBT e Record onde fez diversas novelas. Ao longo da última década, nos brindou com novas participações em “Amor à Vida” (Gigi, 2013), “I Love Paraisópolis” (Isolda, 2015) e “Tempo de Amar” (Emília, 2017). Sua última novela foi na TV Record, “Amor sem Igual” em 2019 onde fez Olímpia. Elegante, talentosa, charmosa e sempre bela, Françoise deixa seu nome para sempre marcado na história da TV.

    
“Brevidade da vida” 

A vulnerabilidade humana fica evidente quando ocorrem tragédias naturais com mortes (como os recentes casos de chuvas na Bahia e Capitólio em Minas Gerais), bem como na atual prolongada fase de pandemia, com tanta gente próxima ou conhecida que se foi. Esta sensação de escorrer pelas mãos, de fragilidade da vida humana, tem feito muita gente repensar sobre atitudes e prioridades. Para que adiar indefinidamente momentos que podem ser vividos agora, por que não aproveitar mais a convivência com as pessoas que amamos ou coisas simples eternamente adiadas, como pequenos passeios ao ar livre ou outros prazeres individuais? Será tão importante assim ficar focado apenas naquele grande plano a longo prazo e deixar outras banalidades prazerosas de lado? Obviamente, não dá para fazer um desapego pleno de obrigações e responsabilidades que irão bater à porta se agirmos de forma leviana ou desproporcional, mas será que não dá para desacelerar um pouco e aproveitar o que se tem? É tão possível e fácil encontrar felicidade em coisas disponíveis: aquele velho hábito de colocar a cadeira na calçada pra bater papo é uma forma tão prática de desapegar-se da velocidade da vida moderna, da necessidade de se estar conectado o tempo inteiro, de acompanhar em tempo real as notícias (geralmente ruins e trágicas) cotidianas. Reunir os amigos, tomar uma bebida, comer no quintal, ouvir uma música no fim de tarde ou no final de semana, descansar numa rede, brincar com um cachorro, tudo sem pressa, sem motivo e sem porquês. Pequenas insignificâncias que representam mais que monumentais comemorações. É enxergar a simplicidade da vida, e perceber a vida no que é simples. E, principalmente, achar que estas pequenas ações não são perder tempo, mas são justamente a essência do tempo. 

Dica da Semana

Televisão / Assinatura

Novelas disponíveis com Françoise Forton:
O Canal Viva está reprisando “Sonho Meu”, onde Françoise interpreta a socialite Gilda Fontana e várias outras novelas suas estão disponíveis no Globoplay: “Tieta”, onde faz a infiel e maldosa esposa de Ascânio (Reginaldo Farias); “Meu Bem Meu Mal”, em que seu personagem é uma mulher com problemas psiquiátricos que tenta retomar o casamento com Ricardo (José Mayer); e “Explode Coração”, onde faz a vilã Eugênia disposta a tudo para conquistar Júlio Falcão (Edson Celulari). 


 

Veja também