Habemus vacina?

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista que só pega no tranco

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 12/08/2020
Horário 05:30

E não é que a Rússia saiu na frente e já tem a vacina contra a Covid-19? O Trump vai cortar os pulsos de inveja. A vacinação em massa deve começar no início do ano que vem, mas já a partir de outubro serão imunizados os profissionais da saúde. 
A produção da vacina Sputnik 5 foi anunciada pelo presidente Vladimir Putin, que, certamente, exultante também comunicou que a filha dele já foi vacinada e a mocinha está bem, segundo o pai.
Putin já registrou a vacina e somente um pai destrambelhado imunizaria a própria filha sem garantia de sucesso ou de eficácia. Tomara que a vacina Sputnik 5 dê certo e vamos torcer que todas as outras vacinas que estão sendo testadas também apresentem bons resultados. Enfim, que sejam eficazes dando um "chega pra lá" no coronavírus. Se não me falha a cachola, outras 25 vacinas também estão sendo testadas mundo afora e isso é muito bom. Aleluia!
Não interessa a origem da vacina. Pode ser da Rússia, EUAAlemanha, Brasil ou Xiririca da Serra. O importante é que a humanidade se livre dessa encrenca o mais rápido possível.
A OMS (Organização Mundial de Saúde) já teria botado "gosto ruim" ao saber da vacina russa. A OMS disse que a Rússia "saltou etapas". Traduzindo: alguns testes importantes foram descartados, mas quem liga para isso? Mesmo assim, tomara - repito - que dê certo para o bem dos quase 8 bilhões de habitantes do planeta azul.
Por falar nisso, o russo Yuri Gagarin foi o primeiro homem a ir pro espaço no bom sentido, ou seja, literalmente. Enfim, foi o primeiro astronauta - ou cosmonauta - a orbitar a Terra a bordo da nave Vostok 1, lançada no dia 12 de abril de 1961. "A Terra é azul", disse ele. Hoje, o planeta deve ter alguns milhões de tons de cinza por causa da poluição.
Também é bom lembrar que, pouco antes, a então União Soviética foi o primeiro país a colocar um satélite no espaço, no caso, o Sputnik, dando início à corrida espacial. Com a missão de estudar a atmosfera e preparar voos tripulados, o Sputnik foi lançado em 4 de outubro de 1957. 
E, agora, a Rússia comunica ao mundo a produção da vacina na velocidade do Sputnik e, neste momento crucial (são mais de 20 milhões de infectados no mundo), o melhor mesmo é torcer para que a pressa não se apresente como inimiga da perfeição. Que a vacina Sputnik 5 seja igualmente veloz no combate ao novo coronavírus, de preferência sem graves efeitos colaterais, coisas em que o Cloro e sua parceira Quina são especialistas.

DROPS
   
Do inferno do pobre é feito o paraíso dos ricos.
(Victor Hugo, escritor)

O dinheiro não é tudo. Tudo é a falta de dinheiro.
(Millôr Fernandes)

Se o diabo entendesse de mulher não teria chifre e nem rabo.
(Stanislaw Ponte Preta)

Estamos todos no mesmo cabaré? Carece perguntar ao leão de chácara.
 

Veja também