Içamento da cúpula é novamente adiado

Turismo Religioso - JOSÉ COSTA

Data 27/10/2020
Horário 05:09
José Costa - Padre Umberto nas obras do balancim, com o soldador-mestre
José Costa - Padre Umberto nas obras do balancim, com o soldador-mestre

Adiada pela segunda vez, a execução dos trabalhos de içamento da cúpula e do coruchéu será em nova data. Desta feita, segundo padre Umberto, será no dia 19 de novembro, uma vez que mais um detalhe foi observado nesses serviços e que poderia comprometer especialmente a cúpula, que já está pronta, já que foi executada no chão.

Motivos

Segundo padre Umberto, tudo estava pronto, inclusive com o guindaste já preparado. Como explica, o contrato firmado com a empresa dava conta de que a cúpula seria atrelada ao guindaste numa operação simples, apenas fixando-se cabos de aço na extremidade das bases da cúpula. Acontece que perceberam que, como haveria quatro pontas para os cabos de aço, mas no guindaste estariam se encontrando num mesmo ponto próximo ao gancho, poderia haver a compressão dos estirantes e, consequentemente, iria forçar a estrutura da cúpula, causando o seu amassamento. O guindaste tem cerca de 200 metros de espaço para o içamento, mas, segundo o soldador-mestre, não necessitará de tanto.

Saída

A saída então seria usar um balancim, para que fosse içado ao guindaste em seguida tendo os cabos ligados a ele e a base da cúpula em quatro pontos. O preço cobrado pelos serviços seria numa operação simples e, se complicou mais, pois a empresa responsável não possui esse material. Assim, coube aos responsáveis pela construção da obra a responsabilidade de construir por sua conta um balancim. As obras já foram iniciadas e acompanhadas por engenheiros para sua melhor funcionalidade e garantia de que tudo sairá com segurança. Ele está sendo construído no chão e pesará cerca de 10 toneladas. Segundo os técnicos e engenheiros, é a única forma para não causar danos à cúpula. O balancim está sendo feito e, após usado, não terá mais serventia para a obra. Seu custo girará em torno de R$ 40 mil e a comissão estuda uma forma de aproveitá-lo após essa operação.

História: De capela à paroquia

Motivado e sensibilizado pelo crescimento significativo da peregrinação, a Mitra Diocesana de Presidente Prudente, através de seu 5º bispo, dom Benedito Gonçalves dos Santos, resolve criar a Paróquia do Santuário de Santo Expedito, antes subordinada à Paróquia de Alfredo Marcondes. Entre os padres que passaram pelo município estão: José Soares, Antonio Marques do Vale, João Goetz e João Carlos Gussi. Aos 24 de maio de 2009, às 10h, em uma missa festiva celebrada por dom Benedito, na presença de inúmeros fiéis e autoridades, padre Umberto Laércio Bastos de Souza assumi a paróquia, sendo o primeiro pároco do município tendo como principal missão dar início à construção do Santuário Diocesano de Santo Expedito, o que ocorreu em janeiro de 2010.

Praça central

As obras na Praça Central, que será referência para se abrigar e dar conforto aos turistas que aqui vierem para compromissos religiosos e de demonstração de fé, estão a todo vapor. Os quiosques já estão prontos, a casa dos turistas também, e a praça da alimentação já está ganhando formas para receber com segurança a sua cobertura e melhor abrigar os turistas.

O santo da urgência

1. A palavra latina hodie (hoje) inscrita na cruz mostra a decisão inadiável de se converter.
2. O manto vermelho refere-se ao sangue que o soldado derramou ao ser morto. Assim como o ramo de palma simboliza o martírio.
3. O corvo sob o pé direito indica a vitória do santo sobre o demônio, que gritava cras (amanhã), tentando adiar a conversão.
4. O capacete no chão representa a escolha de Expedito, que preferiu seguir o cristianismo e não as ordens do imperador.

Veja também