Independente da estação, dengue continua preocupando...

EDITORIAL -

Data 31/07/2021
Horário 04:00

Baixas temperaturas, pouca chuva... A tendência da população é achar que o problema da dengue cessa no inverno. Os casos podem até diminuir. Isso ocorre porque o Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença, circula menos durante os períodos mais frios. Mas se os criadouros não forem eliminados, os ovos depositados podem permanecer intactos por meses e, quando o verão começar, eles vão eclodir, dando origem a um novo ciclo do mosquito. Aí sim a situação complica... Podendo chegar à epidemia!
Só neste ano, conforme matéria divulgada nesta semana, Presidente Prudente já contabiliza 1.236 casos positivos de dengue. De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), desde janeiro até o mês de julho, foram registradas 5.407 notificações, sendo que 3.885 casos suspeitos já foram descartados e outros 286 casos ainda seguem em investigação. Neste período, houve também o registro de um óbito em decorrência da doença.
Apesar da nossa atenção estar voltada à Covid-19, não podemos esquecer de outras enfermidades que também causam estrago e merecem atenção. A dengue, no caso, continua sendo uma ameaça à saúde pública. Ela pode desde passar despercebida até apresentar complicações e levar à morte, caso não haja atendimento médico ágil e especializado. 
Um dos grandes problemas enfrentados, ainda, infelizmente, conforme relatam os agentes e educadores de saúde, é a falta de colaboração da população. Muitas vezes, quando o morador resolve abrir a residência, são incapazes, ao menos, de prender o cachorro. Ou às vezes nem atendem.
Em casas trancadas, muitas vezes é preciso do auxílio dos vizinhos. O ideal é que se tenha a cooperação da vizinhança, não só na hora de denunciar, mas também no acesso a essas casas, dando informações que possam ajudar no paradeiro do dono.
É obrigação do cidadão vistoriar a casa e eliminar o foco. Precisamos olhar o nosso ambiente pelo menos uma vez por semana. Se há cachorro em casa, prenda-o e acompanhe a visita do agente, para ser orientado corretamente. Tire as dúvidas e siga as instruções. A consciência coletiva é muito importante, pois o fato de você ter água parada no seu quintal pode afetar todos que estão à sua volta.
Entre as inúmeras medidas a serem tomadas para evitar a proliferação do mosquito, vale a pena, como sempre, ressaltar algumas delas: evitar o acúmulo de água em recipientes como pratos, vasos, caixas d’água destampadas, garrafas plásticas e pneus; remover folhas e tudo que possa impedir a água correr pelas calhas; colocar o lixo em sacos plásticos; e manter a lixeira fechada; vistoriar com frequência seu quintal.
Se em sua casa, não há disso, não significa que você está livre de contribuir. Receba bem os agentes, facilite o trabalho dos funcionários da Vigilância Epidemiológica, oriente seus vizinhos e familiares. Todos devem fazer sua parte! A dengue continua, independente do clima.
 

Veja também