Instituições desmantelam quadrilha e libertam 4 vítimas de cárcere privado

Em menos de 24h, Polícia Civil de Prudente e Polícia Militar Rodoviária conseguiram solucionar ocorrência

REGIÃO - OSLAINE SILVA

Data 22/10/2021
Horário 19:49
Foto: Oslaine Silva
Seis presos, sendo cinco homens e uma mulher, foram encaminhados para unidades prisionais da SAP
Seis presos, sendo cinco homens e uma mulher, foram encaminhados para unidades prisionais da SAP

Seis presos, sendo cinco homens e uma mulher. Quatro caminhoneiros, vítimas de sequestro libertados do cárcere privado, no Distrito de Coronel Goulart, em Álvares Machado. Um caminhão recuperado. Um revólver niquelado, calibre.38 com seis munições intactas e vários aparelhos celulares apreendidos. Este foi o resultado, até a manhã desta sexta-feira, da ocorrência que mobilizou a Polícia Civil de Presidente Prudente e a Polícia Militar Rodoviária. 
As seis prisões em flagrantes foram convertidas em preventivas, na audiência de custódia, e os presos foram encaminhados para as unidades prisionais da SAP (Secretaria da Administração Penitenciária). Em coletiva à imprensa, o presidente do corpo policial e delegado titular e o divisionário, respectivamente, Ramon Euclides Guarnieri Pedrão, Pablo França e José Carlos Oliveira Junior da 1ª DIG/Deic-8 (Delegacia de Investigações Gerais da Divisão Especializada de Investigações Criminais) detalharam o caso. 
José Carlos destacou o êxito policial, classificando-o até como inusitado na região, uma vez que, ao que ele se recorda, é a primeira vez que se tem conhecimento de uma ação da polícia libertar de um cativeiro quatro pessoas rendidas por uma organização criminosa.
Segundo a autoridade, foi por volta das 15h30 de quinta-feira, que tiveram conhecimento da ocorrência, que chegou no Plantão Policial, quando estavam, inclusive, no velório da perita criminal Marcia Cristina Marini, que perdeu a vida um dia antes em um acidente de carro. A partir desse momento, todo o contingente foi mobilizado. E em uma rápida ação para tentar entender o que estava ocorrendo com aquele caminhão, que a Polícia Rodoviária havia apreendido com uma pessoa que não era proprietária do mesmo. “Temos que elogiar o trabalho de inteligência da DIG, o Secold [Setor Especializado de Combate aos Crimes de Corrupção, Crime Organizado e Lavagem de Dinheiro]. Das 15h30 até por volta das 20h30, eles conseguiram desbaratar essa organização criminosa”, exaltou o divisionário da Deic.

Instituições unidas

Conforme Pablo, assim que tomaram ciência do fato, Ramon já foi até a DIG para ter certeza de que se tratava de um crime verídico, pois é costumeiro na região boatos especialmente relacionados a este delito. Mas foi confirmado ser real o crime. E, a partir do trabalho de inteligência e o material eletrônico apreendido com o motorista, já foi possível a equipe do Secold verificar de imediato e identificar outros dois caminhões, terceiro com este que havia sido abordado. Com as placas, conseguiram identificar os proprietários e com seus familiares descobriram que eles também estavam desaparecidos. Naquele momento, já se tinha a certeza de que ao menos três roubos com vítimas em cativeiro, os próprios donos, estava acontecendo. Ele conta que temiam pela vida dessas pessoas. Conseguiram num cruzamento e num trabalho entre fontes abertas e fechadas chegar a uma região de várias chácaras em Coronel Goulart. Ramon foi até o local, mas não conseguiu encontrar o possível cativeiro. No entanto, de posse das placas dos veículos que os investigadores de campo conseguiram mandar para a Polícia Rodoviária, que fez a primeira detenção em Ourinhos (SP). Com a informação das pessoas abordadas, logo percebeu-se que o motorista não tinha nada a ver com o casal que apenas estava compartilhando o veículo tipo “carona” com sentido a Piracicaba (SP). 
Indagado aonde ele havia pegado esse casal, o motorista disse que fora numa região de chácaras em Coronel Goulart, o que já batia com o que tinham. E, por volta das 19h30, várias equipes da DIG descaracterizadas com o apoio essencial do GOE (Gerência de Operações Especiais), conseguiram retirar as vítimas. “Dois dos seis presos confessaram em detalhes o crime. Nossa gratidão pelo trabalho ininterrupto de uma equipe de bravos policiais civis que temos em Presidente Prudente. Precisamos exaltar o apoio que a Polícia Rodoviária nos deu. Todos ladeados sem nenhuma vaidade institucional, isso faz com que consigamos sobreviver e viver numa das regiões mais seguras do Estado”, ressalta o delegado titular da DIG. 

Vítimas em cativeiro

Ramon destaca que com o avanço das diligências, a identificação do veículo possivelmente utilizado pelos criminosos, eles conseguiram ter uma ideia de onde era o cativeiro. Até ali já tinham uma quarta vítima suspeita de estar em posse dessa quadrilha e uma quinta vítima também desse grupo que atuou no Guarujá (SP). E esta última havia ficado em cativeiro por três dias. A equipe passou a monitorar esse bairro rural. Perceberam que era um local de difícil averiguação de imóvel a imóvel para descobrir onde estas vítimas estavam e não poderiam colocar a vida delas em risco. Mas, quando estouraram o cativeiro, os suspeitos já haviam fugido, deixando as vítimas presas nos quartos e uma TV ligada.
O delegado menciona que a mulher foi a responsável por trazer os itens que utilizaram no sequestro (coletes, capacetes e a arma de fogo). Tudo que ela levava de volta quando foi presa. Os outros quatro indivíduos eram responsáveis por cuidar do cativeiro junto com ela e efetuarem o roubo dos caminhões, que depois eram repassados ao primeiro indivíduo detido, que deu início a toda a ocorrência. Ele era o responsável por realizar o transporte dos caminhões, que têm configurado em um total de quatro veículos, um do Guarujá e os outros três todos roubados em Prudente nesta semana, e que eram levados supostamente para o Paraguai. 
“O que chamou a nossa atenção foi o modus operandi desse grupo criminoso, que não se limitava a restringir a liberdade da vítima até a subtração do bem. Não, o bem já estava em posse deles e mesmo assim eles mantinham as vítimas em estado deplorável como as encontramos”, acentua Ramon, frisando ainda que todos vão responder por crime de associação criminosa armada, de roubo majorado pelo concurso de pessoas, pelo emprego de arma de fogo, pela restrição da liberdade da vítima, cárcere privado e o casal por porte de arma de fogo de uso restrito, uma vez que a numeração estava suprimida

Fotos: Polícia Rodoviária

caminhoneiros são roubados e mantidos em cativeiro em álvares machado região de presidente prudente
Caminhão que foi aprendido pela Polícia Rodoviária e que deu início a toda operação

SAIBA MAIS

Caminhoneiro sequestrado narra  momentos angustiantes em cativeiro

Veja também