Lavagem profissional de roupas sociais cai 30% em Prudente

Cenário de redução se dá devido ao home office dos trabalhadores, no entanto, não trouxe impactos para o setor, que continua realizando outros tipos de higienização

PRUDENTE - WEVERSON NASCIMENTO

Data 08/05/2021
Horário 08:35
Foto: Freepik
Cenário de redução se dá devido ao home office dos trabalhadores
Cenário de redução se dá devido ao home office dos trabalhadores

Por conta da rotina agitada de trabalho, há casos de pessoas que contratam os serviços das lavanderias para lavar suas roupas, principalmente quem utiliza vestimentas sociais. Com a pandemia do novo coronavírus e, consequentemente, a adoção do trabalho remoto, essa situação pode ter mudado, já que agora as pessoas ficam mais tempo em casa e não precisam trabalhar com uma roupa adequada ou, então, encontram mais tempo para lavar por conta própria. Com o atual cenário, a lavagem de vestimentas sociais caiu cerca de 30% nas lavanderias em Presidente Prudente, no entanto, não trouxe impactos para o setor, que continua realizando higienização de roupas de uso pessoal e de casa.
Na Quality Lavanderia Presidente Prudente, a lavagem de vestimentas sociais – daqueles que agora estão em home office – caiu cerca de 20% se comparado com o ano passado. Este percentual de queda ocorre porque os profissionais estão mais tempo em casa, local onde concentram suas atividades laborativas, explica a auxiliar Ione Gomes. No entanto, reforça que tal cultura não trouxe impactos para a lavanderia, uma vez que as pessoas continuam higienizando roupas de uso pessoal e da casa.
A baixa procura para lavagem de roupas sociais também ocorre na Lavanderia Lava e Leva Presidente Prudente. Por lá, a gerente comercial Selma Mazini estima que o atual cenário pandêmico trouxe uma redução de 10% a 15% neste tipo específico de lavagem. “Essa redução foi sentida principalmente na fase vermelha e na emergencial do Plano São Paulo. No entanto, a lavanderia continuou operando normalmente nos outros tipos de lavagem”, explica.    
A menor contratação para a lavagem de roupas sociais também ocorre na Lavanderia Usina Sol, em razão do home office dos profissionais. De acordo com a sócia-proprietária, Adriana Teixeira Santiago, a procura pela higienização específica de peças sociais caiu cerca de 30%, mas não interferiu nos outros serviços oferecidos. “Mesmo em home office, as pessoas não deixaram de lavar as roupas e outros itens da casa, como tapetes e edredons que, neste período, ganharam uma atenção a mais diante das medidas de higiene contra o novo coronavírus”, pontua. 

SAIBA MAIS
O aumento da procura por lavanderias teve início durante a pandemia, mas algumas pessoas decidiram mudar os hábitos de consumo deste tipo de serviço após colocarem os gastos na ponta do lápis. Em um cálculo simples, foi possível verificar que uma família composta por quatro pessoas consome, em média, 5,4 mil litros de água por mês ao lavar as roupas em casa. Aquelas que optam em levar as peças de vestuário à lavanderia gastam 2.160 litros de água por mês, registrando uma economia de 3.240 litros mensais, volume este 60% menor. 
Isso porque as máquinas conseguem evitar o desperdício ao lavar uma quantidade maior de roupas em um mesmo ciclo. O cálculo é feito pelo Sindilav (Sindicato Intermunicipal de Lavanderias no Estado de São Paulo), com base em dados fornecidos pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e pela Anel (Associação Nacional de Empresas de Lavanderia).
Um levantamento realizado pela Universidade de Michigan, em parceria com a Sabesp, também mostra que, em média, 21% da conta de água dos brasileiros vêm da limpeza de roupas. Além da redução na conta de água, quem prefere utilizar a lavanderia também economiza até 21% na conta de energia elétrica, o que se torna um diferencial, já que houve alta nas contas de energia elétrica dos brasileiros.

Veja também