Mais fôlego para a retomada

OPINIÃO - Wilson Poit

Data 22/07/2020
Horário 04:51

A pandemia da Covid-19 atingiu nossa sociedade em vários níveis: além das milhares de vidas lamentavelmente perdidas, a doença levou a um cenário de fechamento de empresas e de desemprego. Inúmeros pequenos negócios se viram obrigados a baixar as portas e suspender as atividades, enquanto uma boa parte tentava se adaptar com a maior rapidez possível aos novos tempos.
Hoje, mais de cem dias após o início da declaração de quarentena no Estado de São Paulo, já há sinais de retomada em algumas regiões e perspectivas de recuperação do período de baixa no faturamento. Para alguns setores, em especial para aqueles que dependem do fluxo de pessoas nas ruas, essa retomada será mais difícil. Será preciso apertar ainda mais o cinto enquanto os clientes não estiverem dispostos a circular e a consumir como antes. No caso dos MEI (Microempreendedor Individual), que têm o caixa muito enxuto e dependem do dinheiro de hoje para pagar as contas de amanhã, essa situação é ainda mais preocupante.
Diante desse cenário, sabemos que uma das principais demandas dos donos de pequenos negócios é por crédito barato e sem burocracia. Na prática, porém, a maioria dos empreendedores que busca crédito está se frustrando, seja com as dificuldades de acesso ou com a falta de informação. Talvez isso explique um dado revelado por uma pesquisa do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas): mesmo com a queda acentuada no faturamento, 61% dos empreendedores não haviam buscado crédito desde o início da pandemia. Ou seja, por receio de taxas de juros elevadas e do excesso de burocracia, muitos preferem abrir mão de um empréstimo.
Por isso, um dos pontos centrais de atuação do Sebrae-SP é com a questão do acesso ao dinheiro. Isso se transformou em uma missão com a parceria de lançamento do Programa de Crédito Retomada, um movimento para ajudar a amortecer os impactos da crise sobre os pequenos empreendedores, de modo a contribuir para viabilização de concessão de créditos com linhas que variam de zero a 0,7% ao mês. Todo o processo de obtenção do empréstimo é on-line, feito em até sete dias e, ao final dessa primeira etapa, esperamos que cerca de 3 mil MEIs e microempresas paulistas sejam contempladas e beneficiadas com o desembolso de R$ 50 milhões a ser realizado.
Porém, mais do que acesso ao dinheiro na conta, o que pretendemos é levar para os pequenos empreendedores conhecimento e educação financeira para que o crédito não se perca em meio às contas do dia a dia, e sim que seja capaz de construir algo com planejamento e foco nos resultados. 

Veja também