Missas e cultos contam com intérpretes de Libras

Tanto nas igrejas católicas como evangélicas o bonito trabalho é totalmente voluntário para fazer a Palavra de Deus chegar a todos indistintamente, como aos deficientes auditivos 

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 01/08/2021
Horário 06:10
Pela linguagem de sinais Juliana expõe com beleza o
Pela linguagem de sinais Juliana expõe com beleza o

A presença do intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) em eventos e cerimônias é essencial para que surdos se sintam incluídos. Hoje, algumas igrejas contam com voluntários que fazem a interpretação em sinais das missas e cultos. A coordenadora pedagógica Marici Rosa Kauffmann, 48 anos, é uma das intérpretes que prestam este bonito trabalho voluntariamente a uma das paróquias da Diocese de Presidente Prudente, a Paróquia Nossa Senhora do Carmo, mais conhecida como Maristela, por ser situada no bairro de mesmo nome.
Ela viu uma moça fazendo uma vez numa missa, se apaixonou e resolveu ali naquele momento que aprenderia para fazer o mesmo. E hoje contribui em sua comunidade às vezes nas celebrações das 19h30 ou na de domingo, das 15h. “Depende muito da disponibilidade dos deficientes auditivos”.
Para Marici é muito importante ter uma intérprete perto dos surdos porque querendo ou não estes profissionais acabam sendo a compreensão daquilo que o outro fala. Mas lamenta que são poucas as pessoas que queiram aprender a linguagem de sinais muitas vezes por achar que é muito difícil. “Não é. Depende muito mais da vontade. É assim maravilhoso, muito gostoso. Eu nem sei como expressar esse poder estar ali para servir o outro. É uma alegria tão grande de estar fazendo o bem para o outro. É questão de amor mesmo. O verdadeiro sentido do amor. Você se sentir feliz em estar ajudando o próximo com a sua dificuldade. Sou imensamente feliz em relação a isso”, destaca Marici. 
A educadora da Rede Municipal de Presidente Prudente, Juliana Toledo Andrade, 39 anos, também é voluntária dessa ação, mas em três igrejas evangélicas da Congregação Cristã do Brasil, uma em Prudente, Regente Feijó e Bataguassu (MS).
“Sinto-me recompensada por conseguir ser um meio para os surdos terem o conhecimento de Deus, dos Seus mandamentos e da Sua Palavra. Esse trabalho é importante para que através dessa interpretação os surdos tenham a acessibilidade nas igrejas como em qualquer outro lugar que lhe é de direito”, frisa a intérprete Juliana.

 

Lançar as sementes  em todos os terrenos
Padre Rodrigo Gomes de Moreno, da Nossa Senhora do Carmo, diz que a palavra de Deus precisa ser levada a todos indistintamente, independente da forma de como podemos levar. E menciona que é como nos diz o capítulo 3 de São Mateus: “Lançar as sementes em todos os terrenos”. “Então precisamos tomar posse das formas de pedagogia para levar esta semente. Da forma como levamos os interpretes para os quem têm deficiência auditiva. Na forma da leitura com os dedos, em Braile, muitos lugares, como a Associação dos Cegos, existe a Bíblia em braile para que os deficientes visuais façam a leitura da Palavra. Nessa forma e em todas a outras realidades nós podemos sim levar a Palavra indistintamente. São todos muito bem vindos, muito bem quistos em nossas celebrações para que realmente a gente possa propiciar este encontro e respeitar a todos acolhendo-os”, exalta o padre.


EU NEM SEI COMO EXPRESSAR ESSE PODER ESTAR ALI PARA SERVIR O OUTRO. É UMA ALEGRIA TÃO GRANDE DE ESTAR FAZENDO O BEM PARA O OUTRO. É QUESTÃO DE AMOR MESMO. O VERDADEIRO SENTIDO DO AMOR”
Marici Rosa Kauffmann

 

Fotos: Cedidas

 

Marici viu uma moça fazendo a linguagem de sinais na igreja, e ali decidiu aprender para fazer o mesmo

 

Juliana que aqui diz “I Love You” é voluntária em três Congregações Cristãs, em Prudente, Regente Feijó e Bataguassu

 

Veja também