Multas e Cobertores

O Espadachim, um cronista a favor do caqui e da cor cáqui

OPINIÃO - Sandro Villar

Data 03/07/2020
Horário 04:30

Pois é, os prudentinos que insistem em não usar máscaras de proteção podem ter um prejuízo lascado. Não só os prudentinos como também toda a população da Locomotiva do Brasil ou do Coração do Brasil, epítetos pelos quais o Estado de São Paulo é conhecido e, certamente, tais denominações desagradam a brasileiros de outros Estados.

Na ótima matéria do repórter Thiago Morello, neste O Imparcial, ficamos sabendo que por decisão do Doria, que justiça seja feita realiza um bom combate ao coronavírus, os paulistas sem máscaras em locais públicos serão multados em R$ 524,59. Já os lojistas - ou donos de outros estabelecimentos comerciais - pagarão multa de R$ 5.025,02.

Tanto num caso - pessoa física - como no outro - pessoa jurídica - a multa nestes tempos de pandemia, com a economia em frangalhos, é uma facada no bolso do contribuinte. Imaginem um pobre coitado que não tem dinheiro nem para comprar comida ser multado em mais de "quinhentinho". Estará ferrado de verde e amarelo.

Por enquanto, a Vigilância Sanitária realiza um trabalho educativo, enfim, de orientação, como informa o Thiago Morello, lembrando que já foram fiscalizados 80 estabelecimentos comerciais. Nada de irregular foi encontrado. Em vez de multar, o Doria deveria distribuir máscaras e orientar a população numa campanha maciça na mídia.

Um detalhe chama a atenção: por que os centavos na multa? Na multa de pouco mais de R$ 500, os tecnocratas do governo paulista acrescentaram 59 centavos. Já na multa, digamos, "comercial industrial", eles também "capricharam" e adicionaram R$ 02. Não é bacaninha? Vai ver descobriram que de centavo em centavo o Estado, a exemplo da galinha, também enche o papo. No caso, o cofre.

Também neste jornal li a matéria sobre o Varal Solidário, iniciativa do Fundo Social de Solidariedade, em que as pessoas carentes pegam roupas e cobertores pendurados no varal. Com este frio siberiano, de tremer pinguim, a doação é bem-vinda, chega em boa hora e é digna dos maiores encômios (Deus meu, que erudição!).

Quem sente frio tem pressa. Quem tem fome também, já alertava o Betinho. Por isso, que tal a cidade também promover o Varal Monetário? Sim, monetário, do vil metal nada vil, de grana em si, dinheiro para os sem-dinheiro. Notas de qualquer valor ficariam penduradas à disposição dos necessitados. Ricaços prudentinos poderiam meter (epa!) a mão no bolso e ajudar, principalmente, com notas de R$ 20, R$ 50 e, por que não?, alguns "cenzinhos" nesta hora do espanto. Ah, sim: moedas também são bem-vindas.

 

DROPS

 

Está tudo errado, certo?

 

Com o valor atual, a conta do telefone deixa o cliente surdo.

 

Nos tempos atuais até os frangos estão em frangalhos.

 

Estamos todos na mesma caravela? Pergunte ao seu Cabral.

Veja também