Publicidade

Nova cultivar forrageira da Matsuda é lançada após vários anos de pesquisa

Indicada para bovinos de corte e de leite, a MG18 Áries II tem uma digestibilidade acima de 60%

Empresas & Negócios - DA REDAÇÃO

Data 05/07/2020
Horário 05:24
Cedida: Departamento Técnico e diretoria do grupo Matsuda na live de lançamento do MG18 Áries 2 Foto: Cedida: Departamento Técnico e diretoria do grupo Matsuda na live de lançamento do MG18 Áries 2

Após vários anos de pesquisas, a Matsuda lança uma nova cultivar derivada do Áries, a MG18 ÁRIES II, recomendada para a região Sul do país. A apresentação ocorreu no dia 26 de junho, em evento on-line, exibido pelo Canal do Boi, do SBA, com transmissões diretamente dos canteiros agrostológicos da matriz da empresa, em Álvares Machado.

Segundo Alberto Takashi, agrônomo do Departamento Técnico da Matsuda, essa cultivar resulta de melhoramento que se iniciou em 2012, com o cruzamento entre o acesso sexual (♀) SPM – 92 e a cultivar Áries (♂). Deste, o F-1sexual foi cruzado novamente com outro material PM – 0472, que possui ótima adaptação ao clima frio. A partir daí os trabalhos de melhoramento foram focados na seleção de plantas apomíticas com características superiores para a produção de forragem, relação folha/talo, recuperação após o corte ou pastejo e, também, a adaptação ao clima frio, entre outras características.

Indicada para bovinos de corte e de leite, a MG18 Áries II tem uma digestibilidade acima de 60%, e isso permite que os equinos, caprinos, ovinos e bezerros também consumam essa pastagem. “É uma ótima para o gado de corte e o rebanho leiteiro, indicada ainda para bezerros”.

A cultivar Áries foi lançada em 2003, para todo o território nacional, mas foi na região sul que ela acabou se aclimatando em 90% dos casos, onde foi plantada. “O Áries II surgiu para atender um mercado em potencial que é a região sul do país, pelo seu clima frio, e nestes últimos anos, pelas altas temperaturas e secas mais severas. Outro fator que levou a pesquisa foi o término do período de proteção da cultivar Áries, que foi de 15 anos” diz o técnico.

A MG18 Áries II possui maior quantidade de folhas comparada com a quantidade de talos. Esse fato melhora por si só a qualidade nutricional e a digestibilidade, pois as folhas são mais nutritivas e mais digeríveis que os talos. As plantas são mais baixas que a cultivar Áries e o crescimento mais prostrado (touceira menos ereta).

Fotos: Cedidas


Alberto Takashi Tsuhako engenheiro agrônomo e coordenador de pesquisas do Grupo Matsuda


Leonardo Matsuda, diretor


Victor Sammi, diretor financeiro

 

 

 

 

 

 

Veja também