O menino precoce (crônica de Stanislaw Ponte Preta - homenagem)

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista a favor do sagu e do sagui

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 01/08/2023
Horário 05:30

Diz que era um menino de uma precocidade extraordinária e vai daí a gente percebe logo que o menino era um chato, pois não existe nada mais chato que menino precoce e velho assanhado. Todos devemos viver as épocas condizentes com as nossas idades; do contrário, enchemos o próximo.
Mas deixemos de filosofias e narremos: diz que o menino era tão precoce que nasceu falando. Quando o pai soube disso não acreditou. O pai não tinha ido à maternidade, no dia em que o filho nasceu, não só porque não precisava, como também porque tinha que apanhar uma erva com o Zé Luís de Magalhães Lins, para pagar a “délivrance” que era quase o preço de um duplex, pois a mulher cismou de ir para a casa de saúde do Guilherme Romano. Mas isto também não vem ao caso.
O que importa é que o menino já nasceu falando. Quando o pai soube da novidade, correu à maternidade para ouvir o que tinha o menino a dizer. Chegou perto da incubadeira e o garoto logo se identificou com um “oba!"
O cara ficou assombrado e mais assombrado ficou quando o nenenzinho disse:
– Papai vai morrer às duas horas! – dito o que, passou a chupar o bico da mamadeira e mais não disse nem lhe foi perguntado.
O cara voltou para casa inteiramente abilolado. Sem conter o nervosismo, não contou pra ninguém a previsão do menininho precoce, mas ficou remoendo aquilo. Dez e meia, 11, meio-dia… e o cara começou a suar frio. Uma da tarde, o cara já estava suando mais que o marcador de Pelé. 
Quando deu duas horas ele estava praticamente arrasado e quando passou da hora prevista um minuto ele começou a se sentir mais aliviado. E estava dando o seu primeiro suspiro, quando ouviu um barulho na casa do vizinho. Uma gritaria, uma choradeira. Correu para ver o que era: o dono da casa tinha acabado de falecer.

DROPS

Quem tem boca vai a Roma e a outras cidades italianas.

Quem bebe para esquecer deve pagar antes de beber.
(ditado antigo)

Filme da Semana no Cine Brasil: "A Paquita que Ruge", estrelando grande elenco cafona e sem noção.

Em terra de cego quem tem cão-guia é rei.

Veja também