O presépio é uma catequese

Diocese Informa

COLUNA - Diocese Informa

Data 27/12/2020
Horário 06:30

Nesta catequese, no período que antecede o Natal, gostaria de oferecer alguns pontos de reflexão em preparação para a celebração do Natal. Na Liturgia da Noite ressoará o anúncio do anjo aos pastores: «Não tenham medo! Eu anuncio para vocês a Boa Notícia, que será uma grande alegria para todo o povo: hoje, na cidade de Davi, nasceu para vocês um Salvador, que é o Messias, o Senhor. Isto lhes servirá de sinal: vocês encontrarão um recém-nascido, envolto em faixas e deitado na manjedoura». Com estas palavras o papa Francisco iniciou a catequese da Audiência Geral (quarta-feira, 23) sobre o Natal.
“Podemos superar esta sensação de desconcerto inquietador, sem nos deixarmos dominar pelas derrotas e fracassos, na consciência redescoberta de que aquele Menino humilde e pobre, escondido e indefeso, é o próprio Deus, que se fez homem para nós." "Jesus nasceu mais de 2 mil anos atrás e isso diz respeito a mim?", disse o papa. "Diz respeito a mim, a você, a cada um de nós. Jesus é um de nós. Deus em Jesus é um de nós”, frisou ele. Segundo Francisco, “esta realidade nos dá muita alegria e coragem. Deus não nos desdenhou, não passou ao nosso lado, não desprezou a nossa miséria, não se vestiu de um corpo aparente, mas assumiu plenamente a nossa natureza e condição humana. É um de nós. É como nós. Nada excluiu, exceto o pecado, única coisa que Ele não tem. Toda a humanidade está n’Ele. Ele assumiu tudo o que somos, tal como somos. Isto é essencial para a compreensão da fé cristã. O Natal é a festa do Amor encarnado e nascido para nós em Jesus Cristo. Ele é a luz dos homens que resplandece nas trevas, que dá sentido à existência humana e a toda a história”.
“Queridos irmãos e irmãs, que estas breves reflexões nos ajudem a celebrar o Natal com maior consciência. Mas há outra forma de preparação que quero lembrar, tanto a vocês quanto a mim, e que está ao alcance de todos: meditar um pouco em silêncio diante do presépio”, e o papa acrescentou:
O presépio é uma catequese daquela realidade, daquilo que aconteceu naquele ano, naquele dia, e que ouvimos no Evangelho. Por este motivo, no ano passado escrevi uma Carta, que nos fará bem reler. Intitula-se “Admirabilesignum” (Sinal admirável). Na escola de São Francisco de Assis, podemos nos tornar um pouco crianças, permanecer em contemplação da cena da Natividade, deixando que renasça em nós a admiração da forma “maravilhosa” como Deus quis vir ao mundo.

• TEMPO DO NATAL. Na liturgia, o Tempo do Natal se estende desde as I Vésperas do Natal do Senhor até o domingo após o dia 6 de janeiro (NALC, n. 33). “É a comemoração do nascimento do Senhor, em que celebramos a ‘troca de dons entre o céu e a terra’, pedindo que possamos ‘participar da divindade daquele que uniu ao Pai a nossa humanidade’ (Oração sobre as oferendas, Missa da noite de Natal). Na Epifania, celebramos a manifestação de Jesus Cristo, Filho de Deus, ‘luz para iluminar todos os povos no caminho da salvação’ (Prefácio da Epifania). [Guia Litúrgico Pastoral, p. 12]

Liturgia
Sagrada Família, Jesus, Maria E José (Festa)

Leituras:Eclesiástico 3,3-7.14-17a; Salmo 127/128; Colossenses 3,12-21; Lucas 2,41-52: Nazaré, o modelo de lar
I.- Antífona de entrada: Vieram apressados os pastores e encontraram Maria com José, e o menino deitado no presépio. (Lc 2,16)
II.- FAMÍLIAS SANTAS. Na festa da Sagrada Família, pensamos em todas as famílias cristãs. Existem famílias santas, além da de Nazaré? Sim, elas existem, cada uma com o seu estilo singular, se os seus membros – pais e filhos e irmãos – se amam e se respeitam mutuamente e deixam que Deus alimente e aprofunde o seu afeto; sim, se o alimento, a alegria e o cuidado são compartilhados; sim, se as dificuldades e contratempos são resolvidos de maneira a que todos cresçam juntos no perdão e na compreensão mútuas; sim, há famílias santas onde a porta se abre com hospitalidade e onde o Senhor mesmo é acolhido nos irmãos sofredores e famintos. É o Senhor mesmo quem nos dá as boas-vindas quando vamos ao Templo para celebrar a eucaristia.
III.- Leituras: 1) Honrar pai e mãe. Os fundamentos da vida em família são amor e respeito, ensina a Bíblia. Estas duas virtudes não deveriam continuar como pedras angulares de nossas famílias hoje em dia? 2) Viver no Senhor. Digam e façam tudo em nome do Senhor Jesus, e vocês terão a correta relação com Deus e com os irmãos.3) Iluminar as nações. É dito a Maria e a José que seu filho Jesus não é deles no sentido de guarda-lo exclusivamente para si mesmos. Devem oferecê-Lo a todos, como Salvador de todos e de cada um, e aceitar as dificuldades dessa missão.
IV.- Citação: «Como veio a paz à terra senão por ter “a verdade brotado da terra”, isto é, Cristo ter nascido como homem? Ele é a nossa paz, ele que de dois povos fez um só, para que fôssemos homens de boa vontade, reunidos pelo suave vínculo da unidade.» (Santo Agostinho, Sermão 185)
V.- Oração: Ó Deus de bondade, que nos destes a Sagrada Família como exemplo, concedei-nos imitar em nossos lares as suas virtudes para que, unidos pelos laços do amor, possamos chegar um dia às alegrias da vossa casa.
 

Veja também