Pelé

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista a favor do craque e contra o crack

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 23/10/2020
Horário 05:34

Nos anos 60 do século passado, o Santos era o maior time do mundo, um timaço que fazia tremer os adversários. Todo garoto daquela época sabia de cor e salteado a linha do Santos: Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.
Pelé veio de outro planeta, segundo o Pepe, o canhão da Vila, com mais de 600 gols marcados com a camisa santista. Vai ver o senhor oitentão Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, pode ser mesmo de outro mundo. Ou pelo menos fazia coisas do outro mundo com a bola nos pés.
Uma vez a TV Tupi teve uma iniciativa ousada e, a meu ver, criativa. A Tupi transmitiu uma partida do Santos e -vejam só - focou no Pelé durante todo o jogo. Ele era mostrado bem de perto em todos os cantos do gramado. Era close de todo jeito no jogador. 
Evidente que os outros 21 jogadores e o trio de arbitragem também apareciam na telinha, mas em segundo plano. Eram figurantes, assim como a torcida. Pelé era o foco, o centro das atenções. 
Ousadia da TV Tupi e me pergunto: que outro jogador contemporâneo mereceria tal honraria? Acho que pelo menos dois são merecedores: Messi e Neymar. Não sei se a Tupi obteve boa audiência ao focar Pelé com destaque durante a partida. 
Que houve uma trégua em uma guerra na África para ver o Santos de Pelé jogar é uma história que já foi contada várias vezes. Depois do jogo, o pau voltou a comer (epa!). 
Também na África o consagrado fotógrafo Sebastião Salgado só não morreu porque falou o nome do Pelé ao ser capturado por um grupo extremista. "Pelé, Pelé, Brasil, Brasil", disse o fotógrafo ao grupo, que certamente o confundiu com algum "colonizador" europeu.
E uma vez o Santos foi jogar na Colômbia, contratado a peso de ouro por milionários. Boa grana para ver Pelé jogar. Só que o árbitro quis aparecer mais do que as estrelas santistas e -  vejam só - o sujeito expulsou justamente o Pelé.
Os caras ficaram fulos e eles mesmos "expulsaram" o árbitro. Aplaudido, Pelé voltou ao campo e o juiz idiota foi mais cedo pro chuveiro. Vai ver o cabra não sabia da vultosa grana que os milionários pagaram ao time do rei do futebol.
Aliás, Pelé foi reconhecido como rei do futebol primeiro pela França. Iniciativa da imprensa francesa. Por que não lhe deram o título de rei do futebol primeiro no Brasil? Inveja, distinto público. Como dizia o Tom Jobim, fazer sucesso aqui é ofensa pessoal.
 Falei da ousadia da TV Tupi e também vale lembrar um retrato publicado no Jornal da Tarde numa época em que a tal mídia grande fazia jornalismo (hoje tem uma turminha braba que faz jornazismo). Na foto, o Pelé está ao lado do papa Paulo VI. Até aí nada de mais. Bacana é a legenda: "Pelé e um fã".   
E  durante um treino do Barcelona um repórter que cobria o clube teve um bate-boca com o Cruyff, então craque do time catalão. Tremendo arranca-rabo. 
Pelé foi citado e num dado momento o jornalista foi duro com o holandês: "Nem na cor você se parece com o Pelé". Acho que o repórter foi injusto até porque o Cruyff jogava muito.
Afinal, quando vai surgir outro Pelé? Não tenho a menor ideia e nem a maior. Talvez seja o caso de perguntar aos deuses do futebol ou pedir pro Pepe se lembrar de qual planeta o Pelé veio. Aí a gente contrata o astronauta Marcos Pontes, pilotando uma nave da Nasa, para buscar outro, nem que seja um genérico, que chegue pelo menos ao tornozelo do rei do futebol.

DROPS

Filme da Semana no Cine Brasil: "Revolta da Vacina", estrelando grande elenco cafona e sem noção.

Caminhoneiros querem carga, operadoras de celular querem recarga.

Dúvida: tempo é dinheiro ou templo é dinheiro?

A verdade vem aí e ninguém segura.
 

Veja também