Publicidade

Pensar fora da caixa

GRAZIELA FERNANDES

COLUNA - GRAZIELA FERNANDES

Data 23/08/2020
Horário 03:39

São em momentos de adversidades, como este que estamos vivenciando há meses, que precisamos aguçar nossa criatividade e inteligência, pensar fora da caixa mesmo, para continuar. Não há dúvidas que sairemos de tudo isso mais fortes e resilientes, o fato é que, para vencer os obstáculos que a pandemia nos impõe, muitos comerciantes de Pirapozinho e até pessoas que não eram empreendedoras, enxergaram agora o seu momento de ser a diferença. São inúmeros exemplos, uma delas é a empresária do setor de moda infantil, Renata Menossi dos Santos, que trouxe uma novidade chamada “balão presente” que virou uma febre na cidade, especialmente para as "charreatas" que estão substituindo os tradicionais chás de bebês. 

Criatividade

Os presentes vão embalados num balão, como estes de festas de aniversário, todo estilizado. Ana Paula Alves Coelho é outro exemplo, empreendedora agora com sua Realiza Mesa Posta, a proposta do negócio casa ainda mais com os tempos que estamos vivenciando, afinal, com mais pessoas em casa, que tal vestir a mesa do jantar e eternizar momentos em famílias? O negócio da Ana Paula oferece produtos e serviços para mesa, peças em algodão como jogos americanos, guardanapos de tecido, entre outros.

Perseguir, insistir e conseguir

Estes exemplos mostram que é possível insistir no sonho do seu negócio ou mesmo empreender em meio à crise, basta ficar atento à comunicação, aos movimentos de mercado e, principalmente, investir em relacionamento com o cliente. Temos muitos negócios que estão fechando, isso é indiscutível, caiu a circulação de renda, especialmente com as medidas restritivas que vivenciamos nos últimos meses, contribuindo para que muitas portas fossem baixadas, mas isso não quer dizer que o sonho acabou. Os padrões de consumo das pessoas mudaram, então, é hora de buscar alternativas para seguir. Então, adapte-se, recrie, recomece. Sempre há tempo! Fica a dica.

Chuva chegou chegando

Segundo o climatologista Vagner Camarini, desde 2009, não chovia tanto no mês de agosto. Mas era muito esperada a chuva, foram quase 50 dias de estiagem. E as pancadas e até temporais mais fortes evidenciaram problemas antigos em Pirapozinho. Em alguns pontos da Rua Florisvaldo Ribeiro de Bessa como, por exemplo, nas proximidades da Rua Francisco Miras, o que se via eram bocas de lobo que quase não davam conta do volume de água que descia.

Lixo dos bueiros

Já falamos aqui na coluna de flagrantes de moradores que jogam lixo nos bueiros. Fica o alerta, pois isso impede o escoamento da água nas ruas e, em períodos de chuvas intensas, pode ser um grande problema. E essa é mais uma situação que depende da manutenção e limpeza que é feita pelo poder público, mas que requer, principalmente, cuidado, conservação e conscientização da população.

Reta final para vacinação

O Ministério da Saúde ampliou a vacinação contra o sarampo, da população de 20 a 49 anos, para até 31 de agosto, em todo o país. A principal medida de prevenção e controle do sarampo é a vacinação, disponível durante todo o ano na rotina de vacinação dos serviços de saúde do país. O sarampo é uma doença grave e de alta transmissibilidade. Uma pessoa infectada pode transmitir para até outras 18 pessoas. A disseminação do vírus ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Neste caso, não é necessário o contato direto, porque o vírus pode se disseminar pelo ar a metros de distância da pessoa infectada. Quem ainda não se vacinou, é hora de procurar a unidade de saúde mais próxima.

Falando em vacinação

Há uma preocupação das autoridades de saúde com a queda na vacinação. É preciso manter a imunização, especialmente das crianças, mesmo durante a pandemia. Fique de olho na caderneta de vacinação dos filhos. Até mais.

Veja também