Polícia participa de operação na capital e no litoral que investiga estelionatos em Prudente

Três vítimas prudentinas caíram em golpes e tiveram, no total, aproximadamente R$ 40 mil subtraídos pelos golpistas

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 28/06/2022
Horário 19:37
Foto: Polícia Civil
Foram apreendidos celulares, máquinas de cartões de crédito, R$ 15,6 mil em dinheiro e 39 documentos falsos
Foram apreendidos celulares, máquinas de cartões de crédito, R$ 15,6 mil em dinheiro e 39 documentos falsos

Na manhã desta terça-feira, o SEI (Serviço Especial de Investigação), juntamente com a Central de Polícia Judiciária de Presidente Prudente, Cerco (Corpo Especial de Repressão ao Crime Organizado), Deic/DIG (Divisão Especializada de Investigações Criminais/Delegacia de Investigações Gerais) de Santos, com apoio do Dope (Departamento de Operação Policiais Estratégicos), cumpriram seis mandados de busca e apreensão em São Paulo, capital do Estado, e em São Vicente, no litoral paulista. 
A operação, denominada Gálatas 6:7, contou com o apoio de 38 policiais e investiga uma série de golpes aplicados a vítimas de Presidente Prudente, que tiveram, ao todo, aproximadamente, R$ 40 mil subtraídos pelos estelionatários por meio da modalidade conhecida no meio policial como “golpe do cartão”. 
Os documentos falsificados foram apreendidos e apresentados ao setor de captura do Dope, onde foram realizados os atos de Polícia Judiciária.

Início das investigações

De acordo com a Polícia Civil, as investigações tiveram início há um ano, quando criminosos se passavam por funcionários de empresas de departamentos e interagiam ardilosamente com as vítimas, via telefone, informando a respeito de compras realizadas utilizando cartões bancários e pedindo confirmação das transações. Diante da negativa da vítima a respeito da compra, pediam para que ela ligasse para um telefone 0800 que constava no verso do cartão, para a tentativa de bloqueio da operação, mas o que a vítima desconhece é que os criminosos continuavam na linha telefônica e aplicavam o golpe.
A pessoa que fazia o atendimento da ligação, além de não bloquear, levantava mais informações a respeito da vítima, obtendo assim senhas e dados pessoais. Na sequência, um dos falsários se apresentava na residência da vítima para recolher o cartão, dizendo ser funcionário do banco.

“Lei da semeadura"

A operação, que leva o nome de “Gálatas 6:7”, faz menção ao versículo bíblico que diz respeito à lei da semeadura, "o que o homem semear, isso também colherá". 

Cartilha antigolpes

A Polícia Civil de Presidente Prudente desenvolveu a cartilha “Golpe? Tô Fora!”, que orienta a população a não cair em golpes. A cartilha está disponível no endereço eletrônico: https://www.policiacivil.sp.gov.br/portal/ShowProperty?nodeId=/dipolContent/UCM_055301//idcPrimaryFile&.

CONFIRA TAMBÉM:

Cartilha orienta sobre os tipos mais comuns de golpes

Agente de polícia ranchariense lança e-book sobre golpes praticados na internet

Veja também