Publicidade

População deve estar alerta contra o sarampo

EDITORIAL - Da Redação

Data 05/08/2020
Horário 04:13

Após o Brasil receber, em 2016, o certificado de eliminação do sarampo, a doença voltou a fazer novos casos no país em 2018. Desde então, os dados permanecem preocupantes. Conforme o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde referente ao mês de julho, neste ano, até 27 de junho, foram confirmados 5.642 casos em 21 Estados. Deste total, 688 ocorreram em São Paulo, que responde por 12,2% dos números.
Ainda conforme a pasta federal, o Brasil também permanece com surto de sarampo nas cinco regiões do país, com 11 Estados com circulação ativa do vírus. No período em questão, foram catalogados cinco óbitos pela doença, sendo três no Pará, um no Rio de Janeiro e um em São Paulo.
O cenário chama a atenção, considerando que a principal forma de combate ao sarampo é a vacina, que está disponível na rede pública de saúde de todo o país. Diante disso, é possível concluir que os novos surtos da enfermidade certamente poderiam ser evitados se todos mantivessem a caderneta de vacinação atualizada.
Justamente com o objetivo de reverter a baixa cobertura vacinal, o Ministério da Saúde intensificou as campanhas de imunização contra a doença. Neste ano, a segunda etapa está em andamento até o dia 31 de agosto e tem como público-alvo a população de 20 a 49 anos, considerando que grande parte das infecções ocorre em adultos jovens.
Em Presidente Prudente, já foram aplicadas, no decorrer desta segunda etapa, 3.422 doses. A VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal) ressalta que, embora não haja meta para ser atingida no decorrer da campanha, pessoas de 30 a 49 anos devem procurar uma sala de vacinação, independente de quantas doses houver na caderneta. Entre as outras faixas etárias, o órgão lembra que a dose será aplicada após avaliação da caderneta.
É muito importante que as pessoas se conscientizem sobre os riscos do sarampo e a importância de prevenir a doença por meio da imunização. Basta comparecer a uma unidade de saúde, apresentar a caderneta e verificar como está a sua situação vacinal, tomando uma nova dose se houver necessidade. A vacinação é o melhor caminho para evitar que novas infecções e óbitos ocorram. Em pleno 2020, não há mais justificativas para enfrentarmos enfermidades que já poderiam ter sido eliminadas se houvesse a consciência e a colaboração de todos.
 

Veja também