Princesas de África 

António Montenegro Fiúza

… amendoinha, fole, manga de terra
cabaceira, abacate, goiaba, veludo
- os sabores dos teus lábios
Mulher da guiné
mimoseas o andar
como o canto de uma voz eunuca
coqueiro balouçando ao vento
perfume de terra molhada
beijando a esplanada de areia branca de Varela …

Tony Tcheka, Mulher da Guiné (excerto)

Ei-la chegando Akapakama, mãe de todos os homens e mulheres, a primeira mulher; rainha africana; e, vindo após ela, cerimoniosamente: Orakuma, Ominka, Ogubane e Oraga, suas quatro filhas. Quem são essas mulheres, cuja beleza, força e sabedoria impressionam? Sente-se que vou-lhe contar a história da criação do mundo, como me foi contado pelo velho bijagó.
O tudo era ainda nada, quando Nindo (Deus) criou Orango – a maior ilha do arquipélago Bijagó – e, a partir daí, começou a produzir tudo aquilo que conhecemos: cada ilha e ilhota, cada continente com as suas riquezas escondidas e as suas belezas aparentes e, ainda, as ocultas, que só o coração divino conhece. 
Depois disso, fez o homem e sua mulher Akapakama e deu-lhes a ilha para habitar. Em pouco tempo, tiveram as quatro filhas, princesas dos Bijagós: Orakuma recebeu, de seu avô, o poder sobre a terra e sobre os rituais religiosos, tendo lhe sido dado o privilégio de fazer as esculturas em imagem e semelhança a Irã – poder fundamental de tudo o que existe; Ominka dirigia as águas, mares e rios e as pescas; Ogubane reinava sobre a chuva e o vento, podendo desencadear uma e outra coisa, controlando a época das secas e a das chuvas; Oraga reinava sobre a natureza, flora e fauna, sendo sua responsabilidade protegê-la.
Cada uma dirigia parte do mundo e complementavam-se em suas tarefas, promovendo a harmonia e o equilíbrio; e cada um dos seus filhos e descendentes, recebe os mesmos privilégios e as mesmas responsabilidades. 
A mulher é um ser especial que Nindo fez, a partir dela, todos os homens e mulheres nascem, ela carrega em si todos os povos do mundo que já existe e dos mundos potenciais.
Mindjer di Guiné, filha de Akapakama é nobre e notável, é filha de rainha e princesa e anda como tal: parcimoniosamente, sublimemente, como se cada passo fosse uma dança e cada sorriso, uma melodia.

… Mulher da Guiné
corpo veludo sossego
musicado em sons de flauta
duas pequenas luas
explodindo na cara canseira.

Tony Tcheka, Mulher da Guiné (excerto)

 


 

Veja também