Prudente contará com unidade da Rede de Reabilitação Lucy Montoro 

Projeto, anunciado hoje por Doria, terá investimento de R$ 30 mi; centro proporciona tratamento avançado para pessoas com deficiência

REGIÃO - WEVERSON NASCIMENTO

Data 24/06/2021
Horário 21:22
Foto: Weverson Nascimento
Após pedido de prefeito, Doria liberou R$ 11 mi ao HRCPP e anunciou envio de testes para Covid
Após pedido de prefeito, Doria liberou R$ 11 mi ao HRCPP e anunciou envio de testes para Covid

Durante visita à capital do oeste paulista, o governador João Doria (PSDB) autorizou a construção da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, em Presidente Prudente, para atendimento de pessoas com deficiência física, visual e auditiva. O projeto terá investimento de R$ 30 milhões e custeio anual de R$ 12 milhões, adiantou o governador. “Eu tenho obrigação como ser humano de ter um olhar ‘diferenciado’ para essas pessoas. Temos que olhar com respeito para elas”, pontou.
O complexo que atenderá toda região está previsto para ser instalado na área ao lado do antigo Pátio Municipal de Veículos, próximo ao Estádio Paulo Constantino, Prudentão, na Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira.
A rede faz parte de um centro governamental de atendimento às pessoas com deficiência e seus familiares. Tem como objetivo proporcionar o melhor e mais avançado tratamento de reabilitação para pacientes com deficiências físicas incapacitantes, motoras e sensório-motoras. Realiza programas de reabilitação específicos, de acordo com as características de cada paciente. Os tratamentos são realizados por equipes multidisciplinares compostas por profissionais especializados em reabilitação, entre médicos fisiatras, enfermeiras, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, educadores físicos e fonoaudiólogos.

Demandas da saúde

Ainda no encontro de lideranças, o prefeito de Prudente, Ed Thomas (PSB), solicitou ao governador a liberação de mais testes Covid-19 para o município. O pedido foi prontamente aceito por Doria e as tratativas serão acordadas através das secretarias estaduais de Desenvolvimento Regional e Saúde, e, além de beneficiar a capital do oeste paulista se estenderá à região.  
Ed Thomas também apresentou ao governador o credenciamento oficial do HRCPP (Hospital Regional do Câncer de Presidente Prudente) junto ao SUS (Sistema Único de Saúde). A Portaria 690, do Ministério da Saúde, que habilita o hospital como uma Unacon (Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia), foi publicada na semana passada no DOU (Diário Oficial da União). 
“Precisamos de um credenciamento do Estado que também fará diferença na vida das pessoas. Não atenderemos apenas uma região, mas dois Estados próximos [Paraná e Mato Grosso do Sul]”, frisou o também presidente da Unipontal (União dos Municípios do Pontal do Paranapanema).
Doria, por sua vez, destacou que a saúde é uma das principais prioridades do seu governo, e pontou que já destinou R$11 milhões ao Hospital Regional do Câncer, quantia que, segundo ele, considera como um feito e uma realização. 

Leitos de UTI Covid

Durante coletiva de imprensa, outro assunto aguardado pela maioria foi quanto à instalação de novos leitos de UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) na região e o andamento do hospital de campanha anunciado pelo governo para o AME (Ambulatório Médico de Especialidades) de Dracena.
Sobre este assunto, o governador pontuou que a perspectiva para os próximos 15 dias será de diminuição da ocupação leitos de UTI e primários, em razão do aumento da vacinação. “Até 15 de setembro toda população adulta – que pode vacinar – já estará com a primeira dose da vacina. Não há necessidade de implementar hospital de campanha ou estruturas, que, além de caras, não são necessárias. Nós temos que aumentar a testagem para proteger a população que já está imunizada e ampliar a vacinação”, pontou Doria. 
Contudo, na sequência reforçou apoio a prefeitos na eventual necessidade de ampliação de leitos de UTI, como já está sendo feito pelo governo estadual. “Se necessário colocaremos mais leitos, respiradores e atendimento profissional, mas estamos confiantes que a tendência a partir de agora será decrescente”. 


 

Veja também