Prudente Urbano não apresenta custos operacionais à Prefeitura no prazo acordado

Apesar de impasse que afeta funcionários e usuários, empresa continua sem dar respostas à imprensa e esclarecimentos à população

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 30/06/2021
Horário 13:29
Foto: Arquivo
Greve do transporte coletivo entra no 15º dia em Prudente
Greve do transporte coletivo entra no 15º dia em Prudente

A Prefeitura de Presidente Prudente, por meio da Semob (Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana), informou que, decorridas 24 horas concedidas à Prudente Urbano para apresentar suas planilhas de custos operacionais, não houve qualquer manifestação por parte da concessionária de transporte coletivo.

"Dessa forma, a Prefeitura já encaminhou notificação cobrando esclarecimentos sobre o não atendimento da solicitação e estuda novas medidas administrativas", comunica o Executivo.

Em meio ao impasse que afeta funcionários e usuários, a Prudente Urbano mantém silêncio. Nas últimas semanas, a empresa não responde às solicitações de posicionamento da imprensa e não faz qualquer esclarecimento sobre a situação em suas páginas na internet.

Reunião emergencial

O prazo em questão começou a contar após uma reunião emergencial entre a administração municipal e membros da empresa na segunda-feira. Na ocasião, ficou acordado que a Prudente Urbano demonstrasse os gastos com funcionários, combustível e manutenção, comprovando dessa forma o déficit financeiro que dificulta que a concessionária honre com seus compromissos. A análise desses dados seria fundamental para que as decisões fossem tomadas, pontuou a Prefeitura.

A Semob relatou que a reunião havia sido marcada com o objetivo de que a Prudente Urbano apresentasse uma solução imediata para o impasse envolvendo o serviço de transporte coletivo, porém, "os representantes da concessionária não o fizeram".

O prefeito Ed Thomas (PSB) questionou sobre qual solução a empresa tem em mente e garantiu que a decisão do poder público precisa ser técnica e com embasamento jurídico. “Essa situação não pode perdurar. Precisamos dar uma satisfação aos nossos munícipes”.

Transporte alternativo

Enquanto o imbróglio não chega ao fim, usuários do transporte coletivo são prejudicados pela paralisação do serviço. Para tentar reverter o problema, está em vigor desde segunda-feira um decreto municipal que autoriza o transporte de passageiros por meio de veículos alternativos, como vans, micro-ônibus e ônibus. Até segunda, a pasta tinha 18 veículos cadastrados, com atendimento a 13 percursos, ou seja, 30% das linhas oferecidas pela empresa.

Ainda segundo o decreto, o credenciado terá garantia mínima de 30 dias de execução de serviços.

Processo administrativo

Por conta da interrupção parcial do transporte público, que chegou hoje ao 15º dia, a Semob está autorizada a abrir processo administrativo para imposição de penalidades à empresa. Conforme a pasta, uma portaria interna será publicada nesta semana para nomeação da comissão encarregada por dar andamento ao processo.

A greve ocorre em virtude de atrasos no pagamento dos salários de colaboradores. O movimento começou com interrupção parcial do serviço, mas se agravou nesta semana com a paralisação integral.

Veja também