Resistência anabólica e envelhecimento

Jair Rodrigues Garcia Júnior

Imagine-se numa gangorra de parque infantil, sentado próximo ao centro, porém sem alça para segurar. A gangorra tem uma leve inclinação negativa de seu lado e você vai escorregando e descendo lentamente. Dessa forma, sem aumento da inclinação, demorará um bom tempo para escorregar até a extremidade e cair da gangorra. A analogia é com a perda da capacidade anabólica muscular e da saúde.

Anabolismo e catabolismo
Podemos definir anabolismo como processos de produção ou crescimento e catabolismo como processos de degradação ou perda. Ambos são necessários e contínuos, porém o anabolismo é predominante no útero, na infância e adolescência. Como se a gangorra tivesse inclinação positiva de seu lado, levando-o cada vez mais para frente. Na vida adulta, com o equilíbrio entre anabolismo e catabolismo muscular, a inclinação da gangorra fica neutra.

Aumento da inclinação
A partir dos 45 anos, inclinação da gangorra começa a ficar negativa, pois diminui a secreção hormonal e passamos a perder mais músculos do que produzir (atrofia muscular), perdendo gradualmente as funções. Porém, mesmo antes, algumas doenças podem diminuir temporariamente a capacidade anabólica, principalmente nos acamados e com má alimentação. A prova inequívoca é a perda de peso. As doenças crônicas antes dos 40 anos também inclinam alguns graus a gangorra.

Resistência anabólica
            Refere-se aos processos de síntese e degradação de proteínas musculares. Acontece quando a síntese passa a ser menor do que a degradação. É normal a partir dos 50 anos e na senescência. Porém, pode ocorrer nos adultos jovens quando há inflamação crônica, resistência à insulina, alterações microvasculares (diminuição dos capilares) e diminuição de células satélites musculares, condições comuns em pessoas sedentárias, com sobrepeso e obesas.

Não subestime
A importância dos músculos na saúde e qualidade de vida é subestimada e a prova é a proporção (60% ou mais) de sedentários adultos (<150 min/sem de exercícios vigorosos). Os músculos são responsáveis por muito mais que nossa locomoção. São determinantes para flexibilidade metabólica (ver texto anterior) e saúde metabólica. O volume, a força, potência e resistência determinam o controle da glicemia, a queima de gordura e o balanço energético, que evita o acúmulo de gordura.

Não antecipe a "queda"
Faça treinamento de força com sobrecargas (ex. musculação, funcional) para estimular as proteínas (Akt e mTOR) do anabolismo proteico muscular e adicione treinamento aeróbio (ex. natação, corrida, bike). Primeiro você deve evitar que a resistência anabólica aconteça enquanto jovem (<45 anos) e, em segundo, deve minimizar a resistência anabólica na senescência. Diminua quanto puder o risco de doenças crônicas para que a gangorra não incline demasiadamente, você caia da extremidade e aconteça o “game over” de sua vida.

 

Diminua quanto puder o risco de doenças crônicas para que a gangorra não incline demasiadamente.

Veja também