Sindasp pede que suspensão de visitas em presídios seja mantida

Em ofício à SAP, sindicato expôs preocupações com a doença e o déficit no quadro de funcionários - o que inclui os afastados por serem do grupo de risco

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 30/09/2020
Horário 14:02
Reprodução/Edson Lopes Jr. - Visitas estão suspensas desde março, devido à pandemia Reprodução/Edson Lopes Jr. - Visitas estão suspensas desde março, devido à pandemia Imagem: Reprodução/Edson Lopes Jr. - Visitas estão suspensas desde março, devido à pandemia

O Sindasp (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo) enviou um ofício à SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) no qual solicita que seja mantida a suspensão de visitas de familiares de presos nas unidades penais. O documento foi protocolado na segunda-feira pela regional de Marília, após consenso com representantes de outras regiões. 

Luciano Novaes Carneiro, diretor administrativo do Sindasp na região noroeste, afirma que o possível retorno gradual das visitações poderá colocar em risco a saúde não apenas dos servidores, mas também da população carcerária.

“Tendo em vista que haverá migrações, os visitantes podem levar [a Covid-19] a outras unidades em que até então não possuem casos da doença”, explica.

Além da proliferação do novo coronavírus, o representante também teme pela segurança das unidades, devido ao déficit no quadro de funcionários. “Com a pandemia, houve um aumento gritante no déficit porque muitos dos afastados são do grupo de risco; possuem pressão alta, problemas no coração, diabetes, obesidade”, expõe Luciano. 

“A gente entende a parte humana, que a visita ‘acalma’ o preso. Mas falta material humano para tomar conta”, afirma.  

“Se houver aumento do fluxo de pessoas sem o aumento do quadro funcional, com certeza acarretará em falhas da segurança e sobrecarga dos poucos que ainda laboram normalmente”, salienta o diretor administrativo, que afirma que o remanejamento de funções nas unidades foi uma característica da pandemia. “Não podemos deixar buracos, estamos até mesmo cancelando os dias de folga”. 

Retorno "inviável"

Para o presidente do Sindasp, Valdir Branquinho, o retorno das visitas, neste momento, também seria "inviável".

“Temos ainda uma grande quantidade de funcionários e apenados com o vírus da Covid. Então, abrir para as visitas seria praticamente ignorar a existência da doença, em um momento em que se espera a diminuição dos casos”, explica. “Estamos vivendo com o inimigo invisível”, lamenta o presidente.

De acordo com Branquinho, a união junto ao Sifuspesp (Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo) e Sindcop (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária e demais Servidores do Sistema Penitenciário Paulista) tem sido “de suma importância” para a categoria.

Assim como Luciano, ele lamenta a "defasagem" devido ao déficit de funcionários.

"Desde o ano passado não há contratações. Precisaria de aproximadamente 4.500 novos funcionários para amenizar o déficit [dos aposentados, dos que aguardam a aposentadoria e os afastados pela Covid]".

A reportagem solicitou um posicionamento da SAP sobre fatos mencionados pelo Sindasp, e aguarda o retorno. 


Arquivo/Isadora Crivelli - Plano de retomada será gradual, afirma a SAP

Familiares na contramão

Na semana passada, a reportagem contou sobre a situação de familiares de presos que pedem o retorno das visitas presenciais. Inclusive, no final de agosto cerca de 20 moradoras da região estiveram com um grupo de mulheres na capital paulista, onde se reuniram em frente à SAP para pedirem o fim dos encontros virtuais.

A manifestação está agendada para ocorrer novamente na sexta-feira, às 10h. 

Procurada por O Imparcial, a Administração Penitenciária informou que prepara um plano de retomada gradual, o que levará em conta a questão sanitária, critério avaliado mês a mês pelos integrantes da pasta.

Desde março, a pasta vem tomando medidas de segurança para garantir a saúde da população carcerária e funcionários, baseadas nas determinações do Centro de Contingência do Coronavírus – em relação à higiene pessoal e do ambiente. 

Durante o período, foram ainda adquiridos EPIs (equipamentos de proteção individual) e termômetros infravermelhos, oxímetro digital portátil e aumento dos produtos de higiene. Além disso, presos trabalham na confecção das máscaras faciais distribuídas. 

SAIBA MAIS

Familiares pedem retorno de visitas presenciais

SAP prepara plano para retomar visitas presenciais

69,6% de famílias de presos estão sem notícias, diz pesquisa

Covid ataca mais servidores que presos na região de Prudente

Veja também